Petroleiros farão greve em 6 estados; Petrobras diz que atos 'não se justificam'

Paralisação começou no último dia 18 de fevereiro, mas foi suspensa para retomada de negociações com a estatal porém, as conversas não avançaram

Por Gabriel Araujo, da Reuters
04 de março de 2021 às 15:45 | Atualizado 04 de março de 2021 às 21:31
Sede do Petrobras no Rio de Janeiro 22/02/2021
Foto: REUTERS/Ricardo Moraes

Petroleiros dos Estados do Amazonas, Espírito Santo, Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo darão início na sexta-feira a uma greve para cobrança de direitos e contra "riscos de privatização" da Petrobras, informou a Federação Única dos Petroleiros (FUP) nesta quinta-feira.

Além disso, também será retomado um movimento na Bahia, em oposição à venda de uma refinaria no Estado. A paralisação começou no último dia 18 de fevereiro, mas foi suspensa para retomada de negociações com a estatal --segundo a FUP, porém, as conversas não avançaram.

 

A Petrobras, por sua vez, afirmou à Reuters que foi notificada sobre as intenções de menifestação, mas mantém um acordo para negociação com os funcionários e acredita que, durante a vigência deste pacto, uma greve "não se justifica".

"Até o presente momento não foi identificado nenhum movimento de paralisação nas unidades da companhia", acrescentou a estatal em comunicado.

Segundo a federação, a greve foi aprovada por assembleias realizadas desde a semana passada pelos Sindicatos dos Petroleiros (Sindipetros) filiados à FUP. Em São Paulo, a adesão ocorrerá nas unidades de Mauá e Campinas.

"A greve também foi aprovada pelos trabalhadores da Unidade de Xisto do Paraná (SIX), que devem iniciar o movimento nos próximos dias, assim como na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco", disse a FUP, acrescentando que em outras bases de Sindipetros as assembleias ainda estão em andamento.

Entre as pautas da greve, a federação menciona "jornadas exaustivas e multifunções no trabalho presencial e remoto" e "exposição à contaminação por Covid-19", além da venda de ativos pela estatal, classificada como "privatização aos pedaços".

Procurada, a Petrobras disse que recebeu notificações sobre a intenção de quatro dos 17 sindicatos ligados à FUP de realizar um movimento grevista, mas que está cumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho 2020/2022.

"A companhia continua aberta ao diálogo com as entidades sindicais. Uma agenda de reuniões vinha sendo realizada com os sindicatos e só foram suspensas após a companhia ser notificada de greve e representantes sindicais abandonarem as negociações", afirmou a estatal em nota.

A Petrobras disse ainda que uma eventual greve atrelada ao desinvestimento de ativos "não preenche os requisitos legais para o exercício do direito de greve" e pode ser considerada abusiva.

"A companhia tomará todas as medidas administrativas e jurídicas cabíveis para manter a continuidade operacional, com segurança das instalações, pessoas e meio-ambiente", concluiu.