Não é possível reeditar o valor do auxílio pago em 2020, diz Pacheco

"Nós temos que trabalhar com a realidade que existe no Brasil", afirmou o presidente do Senado

Eduardo Simões, da Reuters, em São Paulo
26 de março de 2021 às 13:00 | Atualizado 26 de março de 2021 às 13:18

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), fez nesta sexta-feira a avaliação de que não é possível o governo federal reeditar o valor do auxílio emergencial aos vulneráveis atingidos pela pandemia de Covid-19 pago no ano passado, após reunir-se com governadores para tratar de ações de combate ao coronavírus.

"Quanto ao auxílio emergencial, nós temos que trabalhar com a realidade que existe no Brasil", disse Pacheco a jornalistas após a reunião com governadores e também depois de receber uma visita do presidente Jair Bolsonaro, que foi à residência oficial da presidência do Senado após o encontro com os chefes de Executivos estaduais.

"Óbvio que todos nós gostaríamos de reeditar o do ano passado no valor de R$ 600, mas não foi possível em razão da responsabilidade fiscal e do Orçamento", acrescentou.

O presidente do Senado disse ainda que o foco principal da Casa é a vacinação em massa contra a Covid-19, pois, segundo ele, é isso que dará "segurança sanitária" para que a roda da economia volte a girar.

Ele disse que na segunda-feira deve acontecer uma reunião do comitê de coordenação nacional de combate à Covid-19 no Palácio do Planalto sob liderança de Bolsonaro.

Na véspera (16), governadores pediram em carta a Pacheco e ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), a adoção de providências para a segurança de renda da população, com um auxílio emergencial em valor superior à média de R$ 250 oferecida pelo governo.

Na carta, 16 governadores manifestam apoio as 300 organizações que compõem a "Campanha Renda Básica que Queremos", e defendem que a garantia de renda à população precisa estar associada à adoção de medidas de isolamento social diante do agravamento da Covid-19 no país.