Abicom vê defasagem média de 8% no preço da gasolina e cobra aumento a Petrobras

Em portos como o de Itaqui, no Maranhão, a defasagem chega a 10%

Denise Luna, do Estadão Conteúdo
30 de março de 2021 às 12:02 | Atualizado 30 de março de 2021 às 12:15
gasolina
Foto: Ricardo Moraes/Reuters

 O preço da gasolina no mercado interno está defasado em média em 8% em relação ao preço de paridade de importação (PPI), informou o presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), Sérgio Araújo, que espera que a Petrobras anuncie em breve um novo aumento.

Em portos como o de Itaqui, no Maranhão, a defasagem chega a 10%, segundo o executivo.

No último dia 24, com o petróleo em queda, a estatal reduziu o preço da gasolina e do diesel em R$ 0,11 o litro. No início do mês, a empresa havia realizado o sexto aumento do preço dos combustíveis no ano,com aumento de 9,2% para gasolina e 5,5% do diesel.

O preço do petróleo passou a subir nos últimos dias, depois que um navio encalhou no Canal de Suez, mas recuavam ligeiramente nesta terça-feira, com o desbloqueio do canal e a expectativa com uma reunião da cúpula da Organização dos Países Exportadores de Petróleo da Rússia (Opep+) na quinta-feira.