Um terço de quem recebeu auxílio emergencial em 2020 não terá direito agora

Volta do benefício reduziu, além do valor das parcelas, a quantidade de pessoas que poderão receber

Da CNN, em São Paulo
02 de abril de 2021 às 20:38 | Atualizado 02 de abril de 2021 às 21:40

Não é só o valor da parcela do novo auxílio emergencial que está menor em 2021. A quantidade de beneficiados também diminuiu. O universo de brasileiros que vão receber o novo auxílio é 33% menor do que o do ano passado.

Em 2020, cerca de 66 milhões de brasileiros receberam as parcelas do benefício, que começou em R$ 600. Desta vez, o valor médio fica em R$ 250 para cerca de 40 milhões a 45 milhões de pessoas. 

Entenda o novo auxílio

Pelas novas regras, somente famílias com uma renda total de até três salários mínimos por mês (R$ 3.135) podem receber o auxílio, sendo que a renda per capita precisa ser inferior a um salário mínimo. Beneficiários do Bolsa Família recebem o benefício com o valor mais alto.

Vale lembrar que cidadãos que recebam benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, não fazem parte do público que receberá as parcelas. Para fins de elegibilidade, são avaliados os critérios com base no mês de dezembro de 2020.

Quanto será pago?

Serão quatro parcelas mensais no valor de R$ 250, que começam a ser pagas de maneira escalonada a partir de 6 abril.

Mulheres que sejam mães solteiras, sem cônjuge ou parceiro, têm direito a quatro parcelas mensais no valor de R$ 375. Pessoas que moram sozinhas têm direito a quatro parcelas mensais no valor de R$ 150.

Como saber se receberá?

Quem não sabe se foi aprovado para receber o novo auxílio pode fazer uma consulta no site da Caixa ou da Dataprev. Veja o passo a passo.

Se tiver o benefício negado, é possível fazer uma contestação. O prazo termina em 12 de abril.

Aplicativo do auxílio emergencial
Aplicativo do auxílio emergencial
Foto: Leonardo Sá / Agência Senado

(Publicado por Thâmara Kaoru)