Confiança do comerciante registra 5º recuo consecutivo em abril, diz CNC

Na comparação com abril de 2020, o indicador recuou 20,7%

Daniela Amorim, do Estadão Conteúdo
26 de abril de 2021 às 12:55
Comércio não essencial terá restrições na fase laranja do Plano São Paulo
Comércio em São Paulo
Foto: João Moura/UAI Foto/Estadão Conteúdo

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), os comerciantes brasileiros estão mais pessimisitas em abril. É o que o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) revelou com um recuo de 6,4% em relação a março, para 95,7 pontos, o quinto recuo consecutivo.

Com o resultado, o indicador voltou à zona de insatisfação, abaixo de 100 pontos. Na comparação com abril de 2020, o indicador recuou 20,7%.

Segundo a CNC, a piora na confiança do empresariado a despeito da retomada do pagamento do auxílio emergencial em abril é reflexo do recrudescimento da pandemia e da necessidade de endurecimento das medidas restritivas. A entidade defende como solução o avanço na imunização da população contra a Covid-19.

Na passagem de março para abril, todos os três componentes do Icec apresentaram perdas pelo terceiro mês seguido. O componente que mostra a avaliação das condições atuais do empresário do comércio encolheu 9,6%, para 67,6 pontos. Já as expectativas do empresariado caíram 6,2%, para 132,0 pontos. O componente de intenções de investimentos recuou 4,1%, para 87,5 pontos.

A CNC menciona ainda uma "tempestade perfeita", devido a problemas de estoques, crédito e pressão de custos.

"Há problemas para conseguir repassar aumento de custos para os preços finais, quando se há famílias mais endividadas. Além disso, o crédito está mais caro, há incertezas políticas, demora com reformas do Estado, dólar alto e consumidores cautelosos quanto a extrapolar gastos", acrescentou Antonio Everton, economista da CNC responsável pela pesquisa, em nota oficial.

O porcentual de empresários que consideravam os estoques em volume compatível com a demanda diminuiu de cerca de 61,2% em abril de 2020 para 56,7% em abril de 2021, "demonstrando incertezas e dificuldades para fazer o ajuste do volume de produtos da empresa com o mercado".