Google permitirá que os funcionários façam home office permanentemente

A nova política, que entrará em vigor em 1º de setembro, foi compartilhada com os funcionários em uma nota do CEO da empresa, Sundar Pichai, nesta quinta-feira

Rishi Iyengar, do CNN Business
06 de maio de 2021 às 13:44
Google
Sede do Google em Seattle (EUA)
Foto: Toby Scott/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

 

Funcionários do Google de todo o mundo poderão continuar trabalhando remotamente até setembro. Depois disso, será possível escolher entre voltar ao escritório onde trabalhava antes da pandemia, ir para outra subsidiária do Google em outra cidade ou trabalhar permanentemente de qualquer lugar — se o seu trabalho permitir, é claro.

A nova política, que entrará em vigor em 1º de setembro, foi compartilhada com os funcionários por meio de uma nota do CEO da empresa, Sundar Pichai, na manhã desta quarta-feira (5), e checada pelo CNN Business.

Pichai disse que espera que 60% da força de trabalho global da empresa retornem alguns dias por semana aos antigos escritórios, enquanto 20% irão para alguma subsidiária diferente e outros 20% trabalharão em casa.

Esta é uma mudança no plano inicial do Google que previa que todos os funcionários teriam de ir ao escritório três dias por semana.

Muitas das maiores empresas da indústria de tecnologia estão gradualmente traçando planos para trazer funcionários de volta aos locais de trabalho, à medida que as vacinações aumentam e as economias começam a reabrir. O cenário oferece uma projeção de como será o mercado de trabalho corporativo no segundo ano da pandemia.

Globalmente, o Google tem tem cerca de 140 mil funcionários, com escritórios em cerca de 170 cidades e 60 países.

O Facebook disse que também dará aos funcionários a opção de trabalhar remotamente de forma permanente, a menos que sua função requeira estar no escritório.

Já o Twitter divulgou que os funcionários poderão trabalhar de casa "para sempre", se assim escolherem.

O Google também dobrou o subsídio anual dado para funcionários trabalharem "em qualquer lugar". Agora, serão quatro semanas de trabalho, o que significa que os colaboradores podem passar até 20 dias por ano longe de seu escritório de origem.

(Texto traduzido. Para ler o original, clique aqui.)