FAA, dos EUA, aprova reparo elétrico em 737 MAX da Boeing

A decisão abre caminho para o rápido retorno dessas aeronaves ao serviço, após voos serem paralisados no início de abril, disse a fabricante de aviões

David Shepardson, da Reuters
13 de maio de 2021 às 12:47
Boeing 737 MAX retoma voos nos EUA 29/12/2020
Boeing 737 MAX retoma voos nos EUA 29/12/2020
Foto: REUTERS/Marco Bello

A Boeing obteve, nesta quarta-feira (12), a aprovação dos reguladores dos Estados Unidos para um reparo de um problema de aterramento elétrico que afetou cerca de 100 aviões do modelo737 MAX. A decisão abre caminho para o rápido retorno dessas aeronaves ao serviço, após voos serem paralisados no início de abril, disse a fabricante de aviões.

Um representante da Agência Federal de Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês) confirmou que a entidade aprovou os boletins de serviço e as instruções associadas. A Boeing enviou dois boletins às companhias aéreas na última quarta-feira (12) sobre as correções.

"Depois de obter as aprovações finais da FAA, emitimos boletins de serviço para a frota afetada", disse a Boeing à Reuters. "Também estamos concluindo o trabalho enquanto nos preparamos para retomar as entregas."

As três principais companhias norte-americanas que usavam o 737 MAX - Southwest Airlines, American Airlines e United Airlines - retiraram mais de 60 jatos de circulação após o aviso da Boeing.

O problema elétrico surgiu depois que a Boeing mudou um método de fabricação para acelerar a produção da aeronave, disse uma fonte.

A FAA disse que outras companhias aéreas afetadas incluem Cayman Airways, Copa Airlines, Gol Linhas Aéreas, Iceland Air, Minsheng Leasing, Neos Air, Shanding Airlines, SilkAir, Spice Jet, Sunwing Airlines, TUI, Turkish Airlines, Valla Jets Limited, WestJet Airlines e Xiamen Linhas aéreas.