Preços de imóveis nos Estados Unidos sobem até 36%; veja locais mais caros

A área mais cara do país é San José, na Califórnia, com preço médio de venda de uma casa de US$ 1,5 milhão

Anna Bahney, CNN Business
17 de maio de 2021 às 09:17 | Atualizado 17 de maio de 2021 às 09:18
Família coloca casa à venda em San Juan, na Califórnia
Família coloca casa à venda em San Juan, na Califórnia; atualmente, San Juan é um dos locais mais caros para compra de imóveis nos Estados Unidos
Foto: Ray Chavez/Digital First Media/The Mercury News via Getty Images

O início de 2021 mostrou que os preços das casas continuaram a subir e atingiram novos recordes em quase todas as principais áreas metropolitanas de diversas cidades dos Estados Unidos. Embora isso tenha aumentado o valor do imóvel para muitos proprietários, a elevação dos preços tornou a compra de uma casa ainda difícil para os novos compradores.

Em 99% das áreas metropolitanas monitoradas pela Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, os preços no primeiro trimestre de 2021 aumentaram em relação ao mesmo período do ano passado. 

Nacionalmente, o preço médio de venda para casas existentes subiu 16% desde o primeiro trimestre de 2020 chegando a US$ 319.200, o que indica recorde desde que a NAR começou a monitorar os dados trimestralmente em 1989.

"Aumentos de preços significativos em todo o país simplesmente ilustram a forte demanda e a oferta de moradias em recorde de baixa", disse Lawrence Yun, economista-chefe do NAR. 

"Os preços recordes das casas estão acontecendo em quase todos os mercados, grandes e pequenos, até mesmo naqueles que há muito tempo foram considerados fora do radar em anos anteriores para muitos compradores de casas."

Quase 90% das áreas metropolitanas viram aumentos de preços percentuais de dois dígitos em relação ao ano passado. Em comparação, apenas 25% das áreas viram esse crescimento no primeiro trimestre de 2020, quando o estoque de habitações estava em um nível mais saudável e correspondia melhor ao ritmo da demanda mensal.

As áreas com os maiores ganhos de preço não são necessariamente os lugares mais caros para se comprar um imóvel. Mas são áreas onde a demanda está empurrando os preços das casas para cima mais rápido. Além disso, a venda de casas maiores e mais caras pode inclinar o preço médio para cima, especialmente em áreas menores, diz a NAR.

Destinos de férias, como Atlantic City e Barnstable, Massachusetts, em Cape Cod, pareceram populares com base no aumento dos preços, juntamente com pequenas cidades mais acessíveis a uma curta distância de grandes cidades, como Elmira e Kingston, em Nova York, de acordo com a NAR. 

Kingston viu o maior salto, com os preços subindo 36% em relação ao ano anterior.

Algumas cidades suburbanas e de médio porte, como Bridgeport, Stamford e Norwalk, Connecticut; Sherman e Denison Texas e Youngstown, Ohio, também viram grandes aumentos de preços, bem como cidades como Austin, no Texas e Boise, em Idaho.

Decatur, em Illinois, foi um dos maiores ganhadores, com os preços subindo 28%. Mas, apesar de seu grande ganho, os preços em Decatur ainda eram os mais baixos de qualquer uma das 183 áreas metropolitanas monitoradas pelo NAR, passando de um preço médio de US$ 80.300 há um ano para US$ 102.400.

"A súbita valorização dos preços está impactando a acessibilidade, especialmente entre os que compram uma casa pela primeira vez", disse Yun. "Com os baixos estoques já impactando o mercado, os custos crescentes adicionais deixaram muitas famílias enfrentando a realidade de estar totalmente esgotado."

Valores de hipotecas

Mesmo que as taxas de hipotecas sejam historicamente baixas, o pagamento nacional médio mensal da hipoteca subiu para US$ 1.067 no primeiro trimestre graças ao aumento dos preços das casas, ante US$ 995 um ano atrás, de acordo com o relatório da NAR.

Nacionalmente, uma família normalmente precisava de uma renda de US$ 51.216 para pagar uma hipoteca de 30 anos com taxa fixa de 20%, o que era cerca de US$ 3.450 a mais do que uma família precisava no ano passado. Mas para 68% das áreas no relatório, uma família precisava de uma renda inferior a US$ 50.000 para pagar uma casa.

Por outro lado, havia oito áreas metropolitanas onde uma família precisava ganhar mais de US $ 100.000 para comprar uma casa.

Áreas mais caras dos EUA

A área mais cara do país continuou a ser San José, na Califórnia, com um preço médio de venda de uma casa de US$ 1,5 milhão. 

Em seguida, há San Francisco, com US$ 1,2 milhão; Anaheim, na Califórnia, com US$ 1 milhão; Honolulu com valores a partir de US$ 940.400; San Diego em US$ 763.500; Boulder, no Colorado, com imóveis a partir de US$ 726.600. 

Los Angeles aparece na sequência, com casas a partir de US$ 682.400; Seattle tem valores de compra a partir de US$ 653.400; Naples, na Flórida, por US$ 599.500 e Long Island, em Nova York, com valores a partir de US$ 598.600.

Todos esses mercados registraram um crescimento de preços de dois dígitos há um ano. "Esses preços residenciais mais altos ressaltam a importância de aumentar a oferta de moradias", disse Yun, da NAR. "Um aumento de estoque [de casas] combateria o problema de acessibilidade."

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)