Bitcoin cai abaixo dos US$ 40 mil após China ampliar restrição aos criptoativos

A moeda já estava caindo este mês depois que o CEO da Tesla, Elon Musk, disse que estava desconfiado de seu impacto ambiental

Laura He e Michelle Toh, do CNN Business*
19 de maio de 2021 às 09:03 | Atualizado 20 de maio de 2021 às 01:18

 

Bitcoin e outras criptomoedas estão despencando conforme a ansiedade se espalha pelo mercado, desta vez depois que a China deu mais passos para reprimir as moedas digitais.

A criptomoeda mais negociada do mundo despencou 10% na quarta-feira (19), sendo negociada a US$ 38.044 por moeda, de acordo com a Coindesk, chegando ao seu menor valor desde fevereiro.

Esse é o nível mais baixo de bitcoin desde fevereiro. Também representa uma queda de 36% desde o recorde de US $ 63.347 em abril.

O bitcoin já estava caindo este mês depois que o CEO da Tesla, Elon Musk, disse que estava desconfiado de seu impacto ambiental. Mas um novo anúncio de um trio de órgãos fiscais chineses parece ter chocado ainda mais os mercados de criptomoedas.

As agências disseram na terça-feira (18) que as instituições financeiras e empresas de pagamento não devem participar de quaisquer transações relacionadas a criptomoedas, nem devem fornecer serviços relacionados aos seus clientes.

"Os preços da criptomoeda dispararam e despencaram recentemente, e o comércio especulativo se recuperou. Isso prejudica seriamente a segurança da propriedade das pessoas e perturba as ordens econômicas e financeiras normais", disse o comunicado dos reguladores supervisionados pelo Banco Popular da China e pela Comissão Bancária e de Seguros.

A atitude fria da China em relação às criptomoedas é antiga. Embora o país não proíba completamente os criptomoedas, os reguladores em 2013 declararam que o bitcoin não era uma moeda real e proibiram as instituições financeiras e de pagamento de negociar com ele.

Na época, eles citaram o risco de que o bitcoin pudesse ser usado para lavagem de dinheiro, bem como a necessidade de "manter a estabilidade financeira" e "proteger o status do yuan como moeda fiduciária".

O público pode manter ou negociar criptomoedas, mas as principais bolsas de cripto da China continental foram fechadas. Em 2017, as autoridades também baniram as ofertas iniciais de moedas, uma forma de as startups de tecnologia arrecadarem dinheiro emitindo cripto-tokens para o público.

A crescente repressão também pode estimular em parte a iniciativa do yuan digital da China, que as autoridades estão trabalhando para implementar para que possa manter os fluxos de dinheiro sob sua supervisão estrita.

Embora o aviso de 2013 mencionasse apenas o bitcoin pelo nome, alguns observadores consideraram que se aplica a todos as criptomoedas, devido à aversão de Pequim pela modalidade.

O jornal estatal China Times descreveu o último anúncio como um "alerta de risco por natureza". Embora não seja uma lei ou regulamento nacional, ele representa um "padrão da indústria até certo ponto", escreveu o veículo, citando Zhu Youping, um funcionário do Centro de Informações do Estado, um centro de estudos sobre políticas.

Ainda assim, mostra que a China não mudará o rumo em relação à criptografia tão cedo, e isso parecia ser o suficiente para preocupar os comerciantes e investidores.

Junto com a queda do bitcoin, várias outras criptomoedas importantes caíram na quarta-feira. O Ethereum despencou 14%, sendo negociado a US $ 2.978, uma queda de 31% em relação ao pico atingido na semana passada. O dogecoin meme que virou criptomoeda perdeu 13%.

"A posição chinesa sobre criptomoedas é clara desde o início: o comércio e o uso de criptomoedas são simplesmente proibidos", escreveu Ipek Ozkardeskaya, analista sênior da Swissquote, em uma nota de pesquisa na quarta-feira. "Portanto, a notícia não é nada 'nova', mas dado que as criptomoedas são muito sensíveis a notícias negativas hoje em dia, isso aumenta a pressão negativa sobre elas."

Antes do último anúncio da China, Elon Musk já havia enviado os mercados de criptografia em uma viagem selvagem.

Ele mudou na semana passada uma regra que permitia que sua montadora elétrica começasse a aceitar bitcoin como pagamento por seus carros, suspendendo o programa, citando preocupações de sustentabilidade em torno da mineração. A criptomoeda caiu 12% depois disso.

Continuou caindo no início desta semana, depois que Musk pareceu sugerir que sua montadora pode ter se livrado de suas participações na moeda digital, embora mais tarde ele tenha esclarecido que não.

Dogecoin, entretanto, caiu no início deste mês depois que Musk, o defensor mais proeminente da moeda, brincou sobre isso no "Saturday Night Live".

Mas as duas criptomoedas ainda estão astronomicamente mais valorizadas do que há um ano. O Bitcoin subiu 323% no ano passado, de acordo com a Coinbase, enquanto o dogecoin subiu 670%.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o original

Moedas com símbolo do bitcoin, um dos criptoativos mais conhecidos
Foto: Dmitry Demidko/Unsplash