Metade dos resíduos plásticos descartáveis são produzidos por apenas 20 empresas

Além disso, o relatório disse que quase 60% do financiamento comercial para a indústria de plástico de uso único vem de 20 bancos globais

Reuters
19 de maio de 2021 às 09:43 | Atualizado 19 de maio de 2021 às 09:49
Lixo
Foto: Justin Sullivan/Getty Images

A produção de plásticos descartáveis deve crescer 30% nos próximos cinco anos, aumentando sua contribuição para o aquecimento global e a poluição dos oceanos, disseram pesquisadores na terça-feira (18) ao publicar uma lista de empresas que fabricam e financiam plásticos descartáveis.

O primeiro "Índice de Fabricantes de Resíduos de Plásticos", publicado pela Fundação Minderoo, que tem sede na Austrália, calculou que 20 empresas, principalmente gigantes de energia e produtos químicos, são a fonte de metade dos resíduos plásticos de uso único do mundo.

Os plásticos descartáveis — como máscaras faciais, equipamentos médicos, sacolas de compras, copos de café e plástico filme — são feitos de polímeros, que usam combustíveis fósseis como matéria-prima.

Em 2019, 130 milhões de toneladas de plásticos descartáveis foram jogadas fora em todo o mundo, com 35% queimados, 31% enterrados em aterros gerenciados e 19% despejados diretamente na terra ou no oceano, disse um relatório do índice.

O índice usou uma série de fontes de dados para rastrear o fluxo de materiais plásticos de uso único ao longo de seu ciclo de vida, desde a forma de polímero até produtos acabados e resíduos, e estimou onde eles foram produzidos, convertidos, consumidos e descartados.

A ExxonMobil liderou o índice de produtores de polímeros com geração de resíduos plásticos descartáveis, contribuindo com 5,9 milhões de toneladas em 2019, segundo relatório desenvolvido com a consultoria de energia Wood Mackenzie e pesquisadores de think-tanks e universidades.

Em comentários por e-mail, a empresa que "compartilha a preocupação da sociedade com o lixo plástico e concorda que deve ser tratada", exigindo um esforço colaborativo entre empresas, governos, grupos verdes e consumidores.

Acrescentou que está tomando medidas para lidar com os resíduos de plástico, aumentando a reciclabilidade, apoiando os esforços para recuperar mais resíduos de plástico e trabalhando em soluções de reciclagem avançadas que podem ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa associadas aos produtos.

A brasileira Braskem ocupa o nono posto (confira a lista completa). O relatório afirma ainda que quase 60% do financiamento comercial para a indústria de plástico de uso único vem de 20 bancos globais que emprestaram quase US$ 30 bilhões para a produção de polímeros desde 2011.

Em um prefácio, o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore disse que as crises do clima e dos resíduos de plástico estão "cada vez mais interligadas", com a atmosfera tratada como um "esgoto a céu aberto" para as emissões que aquecem o planeta e o oceano como um "aterro líquido" para resíduos de plástico .

Mas, com a transição dos setores de eletricidade e transporte para energia limpa, as empresas que extraem e vendem combustíveis fósseis estão "lutando para expandir maciçamente" seu mercado de petroquímicos, três quartos dos quais são produção de plástico, escreveu ele.

“Como a maior parte do plástico é feita de petróleo e gás, especialmente gás fraturado, a produção e o consumo de plástico estão se tornando um fator significativo da crise climática, já produzindo emissões de gases de efeito estufa na mesma escala de um grande país”, acrescentou.

Estimativas acadêmicas da pegada de carbono dos plásticos indicaram que todo o ciclo de vida dos plásticos descartáveis foi responsável por cerca de 1,5% das emissões globais de gases de efeito estufa em 2019, sendo os polímeros o principal contribuinte, disseram os autores do relatório.

Em seu atual caminho de crescimento, os plásticos descartáveis podem ser responsáveis por 5 a 10% das emissões anuais de gases do efeito estufa até 2050 se o mundo cumprir a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a menos de 2 graus Celsius, acrescentaram.

A Fundação Minderoo disse que as empresas petroquímicas devem ser obrigadas a divulgar sua "pegada de resíduos de plástico" e se comprometer a produzir plásticos a partir de resíduos de plástico reciclado, em vez de combustíveis fósseis.

Ele também pediu aos bancos e investidores que transferissem seu dinheiro de empresas que produzem novos plásticos virgens baseados em combustíveis fósseis para aquelas que usam matérias-primas de plástico reciclado.

Sam Fankhauser, professor de economia e política da mudança climática na Smith School da Universidade de Oxford e colaborador do relatório, disse que deixar claro os papéis que as diferentes empresas desempenham na cadeia de valor dos plásticos é importante porque a maior parte da pressão até agora está centrada nos varejistas.

Uma sacola plástica, por exemplo, não mostra o nome da petroquímica que fabrica seu principal ingrediente, mas sim o supermercado cujas mercadorias ela deve transportar, observou. "Simplesmente não sabemos o suficiente sobre essa rede, isso permite que as pessoas se escondam atrás dela", disse ele à Thomson Reuters Foundation.

Maior transparência e divulgação por parte de empresas e bancos de seu envolvimento na produção ou financiamento de plásticos de uso único poderia encorajar os consumidores e então os acionistas a começarem a pressionar por ações, como visto com as mudanças climáticas, acrescentou.