Startup ensina computador a provar vinho e desagrada sommeliers

A fundadora Katerina Axelsson diz que a Tastry usa inteligência artificial (IA) para analisar "dezenas de milhares de vinhos por ano"

Tom Page, CNN Business, em Londres
28 de maio de 2021 às 15:55
Vinhos
Foto: Getty Images

 

Uma startup da Califórnia que ensinou um computador a "provar" vinho está usando a tecnologia para ajudar os vinicultores a melhorar seus produtos e atrair novos clientes.

A fundadora Katerina Axelsson diz que a Tastry usa inteligência artificial (IA) para analisar "dezenas de milhares de vinhos por ano", gerando uma grande quantidade de dados para ajudar os vinicultores e varejistas a direcionar seus produtos de forma mais eficaz.

 

Axelsson teve sua ideia como estudante de química trabalhando em uma vinícola, onde percebeu "idiossincrasias" na forma como o vinho era avaliado. Um tanque de 100.000 galões de vinho seria dividido em dois e vendido para duas marcas diferentes, onde terminaria em garrafas diferentes, seria vendido a preços diferentes e receberia notas diferentes dos críticos, diz ela.

Ela começou a analisar amostras de vinho, identificando milhares de compostos. Usando IA, ela pôde ver como esses compostos interagiam uns com os outros, criando o perfil de sabor do vinho. Ela então pegou esse perfil e usou o aprendizado de máquina para comparar seu sabor, aroma, textura e cor com outros vinhos no banco de dados.

O método permitiu que Axelsson desenvolvesse um aplicativo de recomendação de vinhos, que foi lançado nas telas dos corredores de vinhos dos varejistas em 2019. Por meio de um questionário, os consumidores podiam inserir suas preferências de sabor, e o software recomendaria um vinho adequado com precisão de 80-90% na primeira tentativa, diz ela, subindo para 95% com entrada adicional do usuário. O sistema da Tastry agora alimenta seu aplicativo de recomendação de vinhos BottleBird.

A Tastry também começou a trabalhar diretamente com vinicultores nos Estados Unidos. As marcas pagam para ter sua garrafa analisada "e em troca teriam acesso ao que chamamos de painel de insights, onde podem identificar como seu vinho é percebido em seu mercado de oportunidade, em uma loja, local ou regionalmente", diz Axelsson.

Katerina Axelsson, fundadora da Tastry, com amostras de vinho em um laboratório
Foto: Tastry / divulgação

 

Um cliente é O'Neill Vintners and Distillers, um dos maiores produtores de vinho da Califórnia. Para produzir alguns blends, combina vinhos de "mais de 30 tanques diferentes" para criar o perfil de sabor desejado, de acordo com Marty Spate, vice-presidente de vinificação e viticultura.

A empresa está usando a IA da Tastry para "agilizar" o processo de mistura, sugerindo quais tanques usar. "[Tastry] não é um substituto para a moderna equipe de vinificação", diz ele, no entanto, "esses dados podem ser muito poderosos."

Mas em uma indústria mergulhada na tradição artesanal, existem alguns críticos de sua abordagem algorítmica.

"É como ter um computador analisando uma obra de arte", diz Ronan Sayburn, mestre sommelier e diretor de vinhos do 67 Pall Mall, um clube privado para amantes de vinho em Londres.
“Não sei o quanto as pessoas ficariam entusiasmadas em seguir o que um computador lhes diz para beber, com base no que beberam anteriormente”, diz ele. "Acho que parte do apelo do vinho é formar suas próprias opiniões."

Sayburn admite que a tecnologia pode ser útil para o amador, para recomendar a temperatura do serviço, o tempo de aeração e a combinação de alimentos. “Mas quando se trata de algo que é um assunto muito emotivo, acho que deve haver contato humano”, argumenta ele.

Axelsson concorda que Tastry não é um substituto para um sommelier. Mas ela diz que a escalabilidade de seu produto torna possível analisar mais vinhos por ano do que um ser humano poderia provar.

Sua empresa começará a oferecer serviços na Europa ainda este ano em colaboração com um varejista online, e já está pensando além do vinho, tendo realizado testes para cervejas, destilados, café e fragrâncias.

Nesse ínterim, ela está feliz em passar o tempo conquistando os opositores. “Leva tempo para educar qualquer indústria sobre IA e seus benefícios”, diz ela. "Mas se o caso de uso existe e a proposição de valor existe, acho que é apenas uma questão de tempo antes que as pessoas realmente o adotem."

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original.)