Estamos otimistas com a forma como economia está reagindo, diz presidente do BC

O otimismo, segundo Campos Neto, se estende ainda para a possibilidade de reabertura no segundo semestre

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
31 de maio de 2021 às 16:14 | Atualizado 31 de maio de 2021 às 17:08
Roberto Campos Neto
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central
Foto: CNN (24.ago.2020)

 

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou estar otimista com o desempenho da atividade econômica em meio à pandemia de Covid-19. Para ele, a dúvida para o segundo semestre de 2021 é quanto de recuperação ainda poderá vir. 

"A economia parece estar reagindo um pouco melhor, mesmo com os índices de hospitalização e óbito mais severos do que na primeira onda. [...]  Estamos otimistas com o crescimento da economia, a forma como tem reagido", afirmou em participação no Fórum de Investimentos Brasil 2021, nesta segunda-feira (31).

O otimismo, segundo ele, se estende ainda para a possibilidade de reabertura no segundo semestre. "A grande dúvida no segundo semestre é o quanto de recuperação de serviços já veio, o quanto vai vir. Mas acreditamos que o avanço da vacinação vai nos permitir uma abertura econômica maior no segundo semestre", observou.

Campos Neto destacou que indicadores de antecedentes mostram um bom primeiro trimestre e outros indicadores também já sinalizam um "segundo trimestre um pouco melhor". 

Na próxima terça-feira (1º), o IBGE divulgará o resultado do  Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2021, resultado do desempenho da economia entre janeiro e março.  O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, considerado uma "prévia" do PIB, já sinalizou para alta de 2,3% no período.

PIB 2021

Roberto Campos Neto afirmou que a autoridade monetária está revendo para cima sua estimativa oficial para o crescimento do PIB para 2021. De acordo com ele, a revisão deve seguir o movimento do mercado financeiro, cuja previsão de alta da atividade econômica já encosta nos 4%. 

"Quando a gente olha os números mais recentes de expectativa de crescimento, estão acima do número que colocamos de 3,52%. Inclusive, nós do Banco Central estamos arrumando para uma expectativa de 4%", disse. 

Ele destacou ainda que alguns economistas e instituições financeiras já estão com números acima dos 4%, "mesmo levando em consideração esse aumento que poderemos ver nos próximos dias de aumento de casos".