Com pandemia, União registra patrimônio líquido negativo de R$ 4,4 trilhões

Trata-se do pior resultado da história

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
10 de junho de 2021 às 13:54 | Atualizado 10 de junho de 2021 às 16:32
Dinheiro cédulas finanças inflação
Foto: Getty Images/Priscila Zambotto

 

Ainda como impacto dos gastos no combate à pandemia, a União teve patrimônio líquido negativo de R$ 4,4 trilhões em 2020. Além de ser o pior valor de toda a história, a perda é 49% superior à registrada no ano anterior. 

Os números são do Relatório Contábil do Tesouro Nacional, divulgado nesta quinta-feira (10). O patrimônio líquido inclui a diferença de tudo o que o governo tem entre crédito e despesas. 

De acordo com o documento, o resultado é explicado, principalmente, por um aumento de R$ 772,6 bilhões em empréstimos e financiamentos, "gerados principalmente para cobertura dos gastos emergenciais com benefícios e auxílios para enfrentamento da pandemia da COVID-19".

Esse valor foi a maior ampliação nas despesas obrigatórias no ano. No montante, estão incluídos, por exemplo, o aumento de gastos com despesas sociais

Militares pesam na conta 

O Tesouro mostra também uma alta de R$ 644 bilhões em provisões previdenciárias e pensões. Desse total, a maior parte é resultado do reconhecimento de um passivo atuarial de R$ 405,8 bilhões referentes aos benefícios com militares inativos. 

Há ainda aumento de R$ 158,2 bilhões no passivo referente às pensões de militares.

Esses valores aparecem, segundo o Tesouro, em decorrência do processo de convergência da contabilidade pública às normas internacionais.

Outro ativo que de destaque é referente a R$ 343,3 bilhões de créditos a receber de entes federativos.