Aumento de funcionários afastados por Covid-19 afeta operação de negócios nos EUA

À medida que avançam os casos de infecção, lojas, restaurantes, companhias aéreas e outros setores têm poucas opções a não ser atender menos aos clientes —ou nem atender

Último surto de coronavírus no país, impulsionado pela variante Ômicron, tem forçado até fechamento de algumas lojas e restaurantes por falta de equipe
Último surto de coronavírus no país, impulsionado pela variante Ômicron, tem forçado até fechamento de algumas lojas e restaurantes por falta de equipe Getty Images/Image Source

Nathaniel MeyersohnDanielle Wiener-Bronnerdo CNN Business

Ouvir notícia

A Montclair Bread Co. fechou no último fim de semana depois que um quarto da equipe testou positivo para Covid-19. A padaria perdeu 25% das vendas mensais.

“Basicamente, estamos abertos durante a semana para nos prepararmos para o fim de semana”, disse Rachel Wyman, dona da loja artesanal de pães, donuts e guloseimas em Montclair, Nova Jersey.

A padaria, que existe há 10 anos, permaneceu aberta durante a pandemia porque é considerada um serviço essencial.

“Não consigo me lembrar da última vez que tomei a decisão de fechar em um fim de semana”, acrescentou Wyman.

Sem padeiros suficientes para operar, ela não tinha escolha. Ela tomou a decisão na quinta-feira (6) de fechar as atividades por uma semana para dar tempo a toda a equipe para “fazer o teste e voltar com saúde, com esperança”.

Wyman está pagando seus funcionários pela semana de folga. Mas está saindo do orçamento dela, então ela está atrasada no pagamento do aluguel de sua casa.

Embora ela espere abrir neste fim de semana, o plano é fluido. Ela descobriu na quarta-feira (5) que mais dois funcionários testaram positivo.

O último surto de coronavírus nos Estados Unidos, impulsionado pela variante Ômicron, interrompeu negócios. Também sobrecarregou seus funcionários, que já estavam exaustos de quase dois anos de trabalho árduo durante a pandemia e uma histórica escassez de mão de obra.

À medida que os EUA voltam a ficar com a Covid-19, lojas, restaurantes, companhias aéreas e outros setores têm poucas opções a não ser atender menos aos clientes —ou nem atender.

A Apple fechou na semana passada todas as suas lojas na cidade de Nova York para a navegação do cliente, enquanto a Macy’s disse que iria encurtar suas horas da manhã e da noite de segunda a quinta-feira durante todo este mês.

Alguns trabalhadores estão adoecendo, enquanto outros reclamam porque seus planos de creche estão mudando, com algumas escolas fechando. Alguns funcionários estão ficando em casa, com medo de pegar o vírus no trabalho.

Na quarta-feira, seis funcionários de uma Starbucks em Buffalo que recentemente votaram para se filiar a um sindicato se retiraram, alegando preocupações com a saúde. A paralisação fez com que a loja fechasse temporariamente.

Ômicron aumenta a falta de mão de obra

O número crescente de trabalhadores doentes aumenta as pressões que as empresas enfrentam para reter funcionários e preencher as vagas, bem como às demandas sobre os trabalhadores atuais, que são forçados a assumir responsabilidades extras ou turnos.

O aumento gerou “cancelamentos e fechamentos generalizados, uma vez que empresas com poucas equipes são atingidas por uma onda de funcionários que ligam dizendo que estão doentes”, disse Michael Pearce, economista sênior da Capital Economics, em um e-mail para clientes na quarta-feira.

Vários dados recentes, que ainda não levam em consideração a chegada da variante Ômicron, destacam o mercado de trabalho americano historicamente apertado.

Um recorde de 4,5 milhões de americanos deixaram voluntariamente seus empregos em novembro, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics divulgados na terça-feira (4). Isso empurrou a taxa de desistência para 3%, igualando a alta de setembro.

“Os trabalhadores continuaram a abandonar seus empregos a uma taxa histórica. Os setores de baixos salários diretamente afetados pela pandemia continuaram a ser a fonte de grande parte do elevado índice de abandono”, disse Nick Bunker, diretor de pesquisa do Even Hiring Lab, por e-mail comentários terça-feira.

Os empregadores também tiveram 10,6 milhões de empregos para preencher em novembro, uma ligeira queda em comparação com pouco mais de 11 milhões de vagas em outubro.

Os proprietários de pequenas empresas, em particular, continuam a lutar para encontrar trabalhadores: 48% de todos os proprietários de pequenas empresas relataram que tiveram vagas de trabalho que não puderam preencher em novembro, uma queda de um ponto em relação a outubro, de acordo com uma pesquisa da Federação Nacional de Negócios Independentes realizada no passado mês.

‘Positivo, positivo, positivo’

Na cidade de Nova York, um dos primeiros focos de pandemia, casos de Covid-19 explodiram nas últimas semanas. O aumento levou à falta de pessoal em restaurantes como o Neir’s Tavern, um pequeno bar histórico no Queens.

Em 18 de dezembro, o dono de Neir, Loycent Gordon, recebeu um telefonema de um de seus bartenders que não estava se sentindo bem. Mais tarde, o funcionário disse a Gordon que o teste dele deu positivo.

Gordon decidiu que o restante da equipe, que totaliza cerca de oito pessoas no total, deveria ser testado.

“Foi quando o inferno começou”, disse ele. “Todo mundo começou a se sentir mal, começou a colocar no chat do grupo os resultados dos testes. E todo mundo ficava dizendo positivo, positivo, positivo.”

Por cerca de uma semana e meia depois disso, a equipe da Neir’s Tavern, de oito pessoas, diminuiu para apenas duas pessoas. O próprio Gordon testou positivo durante esse período e sofreu de sintomas, e teve que se isolar.

Por causa das interrupções, Gordon fechou a taverna por dois dias, além do fechamento planejado no dia de Natal. Ele também cancelou eventos como curiosidades do bar e noite do microfone aberto.

Contratar funcionários temporários não era uma opção, disse ele. Com Gordon e a maioria de seus funcionários doentes, “quem vai treiná-los?”

Gupshup, um restaurante indiano moderno em Manhattan, também sofreu com a falta de pessoal, disse o proprietário Jimmy Rizvi. Por causa de funcionários dizendo que estavam doentes, Rizvi e outros funcionários tiveram que usar chapéus diferentes para manter o restaurante funcionando.

“Entrei como anfitrião., Meu chef … teve que trabalhar nas linhas”, disse ele. Em outra ocasião, quando um barman não apareceu, um barback preencheu.

A abordagem ad-hoc significa que, até agora, Gupshup não teve que fechar suas portas. Como disse Rizvi, “fizemos malabarismos com nossa equipe existente”.

Anneken Tappe, da CNN Business, contribuiu para este artigo.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN