Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Apesar de reabertura, bares e restaurantes de SP ainda devem acumular prejuízos

    Presidente da Abrasel-SP, Percival Maricato diz que entre 25% e 30% dos bares e restaurantes de São Paulo já fecharam desde o início da pandemia

    Produzido por Layane Serrano, da CNN, em São Paulo

    Ouvir notícia

     

    Presidente do conselho estadual da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de São Paulo (Abrasel-SP), Percival Maricato entende que a flexibilização que permitiu a reabertura do setor ainda não é suficiente para conter os prejuízos causados na pandemia.

    Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (26), ele afirmou que o funcionamento entre 11h e 19h deixa a operação mais onerosa do que benéfica para os estabelecimentos. Desde sábado (24), o governo estadual autorizou bares e restaurantes de São Paulo a funcionarem com 25% de ocupação.

    “Se abrir, vai ser com a estrutura completa, chamar os funcionários de volta, montar estoque. Não vai ser para 25%”, afirmou Maricato. “Nessa situação, o extermínio vai continuar. Milhares já fecharam e milhares de pequenos empresários que investiram no setor estão sem atividade.”

    Segundo ele, entre 25% e 30% dos bares e restaurantes de São Paulo já fecharam desde o início da pandemia. “É um desastre. Estamos pleiteando para os governos federal e estadual que ajudem esse setor, assim como o de eventos, de turismo e cultural. É razoável governos ajudarem também para preservar empregos. porque quanto mais pessoas são demitidas há mais pressão no serviços sociais.”

    Maricato ainda afirmou que as pessoas só têm a perder com a limitação do funcionamento de bares e restaurantes. “A única vantagem desse fechamento todo foi que as pessoas descobriram o relacionamento afetivo e social que se dá em bares e restaurantes, que é tão importante quanto comer. Queremos a volta dos bares e restaurantes para ter um retorno mais alegre.”

    Reprodução/CNN
    Bares e restaurantes de SP podem funcionar com 25% de ocupação
    Foto: Reprodução/CNN

     

    Mais Recentes da CNN