As sanções que realmente podem prejudicar a Rússia

Países ocidentais provavelmente não enviarão suas tropas para a Ucrânia, tornando as sanções ferramentas para punir Moscou e impedir novas agressões

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou 18/02/2022 Sputnik/Sergey Guneev/Kremlin via REUTERS

Charles Rileydo CNN Brasil Business*

Ouvir notícia

Menos de 24 horas depois que a Rússia ordenou o envio de forças militares para o leste da Ucrânia, o Ocidente enviou uma mensagem clara de que a agressão de Moscou não ficará sem resposta.

Mas as sanções mais severas podem ser mantidas de reserva, como um impedimento para uma escalada ainda maior.

A Alemanha suspendeu a certificação do oleoduto Nord Stream 2 na terça-feira (22), a medida mais forte tomada até agora para impor penalidades econômicas e financeiras à Rússia desde que o presidente Vladimir Putin reconheceu duas partes do leste da Ucrânia como independentes e ordenou que suas tropas entrassem nos territórios separatistas.

Os Estados Unidos e a União Europeia anunciaram sanções, e autoridades dizem que outras medidas serão anunciadas ainda na terça-feira.

Os países ocidentais provavelmente não enviarão suas próprias tropas para a Ucrânia, tornando as sanções as melhores ferramentas para punir Moscou –e impedir novas agressões.

Aqui está o que o Ocidente fez até agora e como isso pode realmente prejudicar a Rússia.

Estados Unidos

A Casa Branca anunciou novas sanções em partes do leste da Ucrânia que Putin reconheceu como independentes na segunda-feira (21).

Mas essas penalidades são principalmente simbólicas e não representam muito risco para a economia russa.

O governo Biden imporá sanções adicionais à Rússia nas próximas horas, disse o vice-conselheiro de segurança nacional Jon Finer durante uma aparição na MSNBC.

Mas ele deixou claro que penas mais severas provavelmente serão retidas para impedir Moscou de ordenar tropas mais profundas na Ucrânia.

“Se a Rússia tomar mais medidas, teremos mais consequências significativas e graves que podemos impor por meio de sanções”, disse Finer.

Os Estados Unidos podem atingir os maiores bancos da Rússia com sanções, essencialmente tornando-os párias e cortando-os do sistema financeiro global.

As medidas de controle de exportação são outra arma poderosa no arsenal dos EUA. Essas restrições podem impedir a capacidade da Rússia de importar smartphones e componentes importantes de aeronaves e automóveis, prejudicando suas indústrias manufatureiras.

Os Estados Unidos mantêm sanções à Rússia que foram impostas em resposta à invasão da Ucrânia em 2014.

Outras penalidades foram impostas por questões como ciberataques, interferência eleitoral, proliferação de armas e comércio ilícito com a Coreia do Norte.

Europa

A União Europeia apresentará um pacote de sanções contra a Rússia na terça-feira, incluindo propostas para atingir indivíduos e bancos. Mas já jogou uma de suas principais cartas contra a Rússia.

A decisão da Alemanha na terça-feira de interromper a certificação do gasoduto Nord Stream 2 mostra que a Europa está disposta a atacar a enorme indústria de energia da Rússia, mesmo que isso signifique preços mais altos do gás natural para os consumidores da UE.

O oleoduto de 750 milhas foi concluído em setembro, mas ainda não recebeu a certificação final dos reguladores alemães.

Sem isso, o gás natural não pode fluir através do gasoduto do Mar Báltico da Rússia para a Alemanha.

O Nord Stream 2 poderia fornecer 55 bilhões de metros cúbicos de gás por ano.

Isso representa mais de 50% do consumo anual da Alemanha e pode valer até US$ 15 bilhões para a Gazprom, a estatal russa que controla o oleoduto.

“Saúdo a decisão do chanceler alemão, Olaf Scholz, de cancelar o Nord Stream 2. E acho que é um passo corajoso… e a coisa certa a fazer”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson aos legisladores do Reino Unido na terça-feira.

O trunfo da União Europeia pode ser o SWIFT, um serviço global de mensagens usado por bancos e instituições financeiras.

A remoção da Rússia do SWIFT tornaria muito mais difícil para as instituições financeiras enviarem dinheiro para dentro ou para fora do país, causando um choque repentino para as empresas russas e seus clientes estrangeiros — especialmente compradores de exportações de petróleo e gás denominados em dólares americanos.

“O corte encerraria todas as transações internacionais, desencadearia a volatilidade da moeda e causaria saídas maciças de capital”, escreveu Maria Shagina, pesquisadora visitante do Instituto Finlandês de Assuntos Internacionais, em um artigo no ano passado para o Carnegie Moscow Center.

A SWIFT está sediada na Bélgica e é governada por um conselho composto por 25 pessoas. A organização, que se descreve como uma “utilidade neutra”, é constituída sob a lei belga e deve cumprir os regulamentos da UE.

Há precedente para remover um país do SWIFT. Ele desligou os bancos iranianos em 2012 depois que eles foram sancionados pela União Europeia por causa do programa nuclear do país.

A exclusão da Rússia do SWIFT faria com que sua economia encolhesse 5%, estimou o ex-ministro das Finanças Alexei Kudrin em 2014 – a última vez que essa sanção foi considerada em resposta à anexação da Crimeia pela Rússia.

 

Reino Unido

O Reino Unido anunciou sanções contra cinco bancos russos e três russos ricos na terça-feira.

Johnson disse aos legisladores que o Rossiya Bank, o IS Bank, o General Bank, o Promsvyazbank e o Black Sea Bank seriam alvos.

A Grã-Bretanha também congelará os bens de três indivíduos ricos: Gennady Timchenko, Boris Rotenberg e Igor Rotenberg.

Os Rotenbergs são coproprietários do SGM Group, que fabrica infraestrutura de petróleo e gás. Timchenko é o proprietário da empresa de investimentos privados Volga Group.

Todos os três já estavam sujeitos a sanções dos EUA.

A Grã-Bretanha também deve sancionar os legisladores russos que votaram a favor do reconhecimento da independência dos dois territórios separatistas.

“Estamos preparados para ir muito mais longe se a Rússia não recuar. Restringiremos a capacidade do Estado russo e das empresas russas de arrecadar fundos em nossos mercados, proibiremos uma série de exportações de alta tecnologia e isolaremos ainda mais os bancos russos da economia global”, disse a secretária de Relações Exteriores Liz Truss.

Russos ricos se reuniram em Londres nas últimas três décadas após entrar no Reino Unido por meio de programas de visto de investidor, de acordo com um relatório publicado pelo Comitê de Inteligência e Segurança do Parlamento em 2020. O Reino Unido poderia agir contra os oligarcas que transformaram Londres em seu playground.

“Há muitos russos com ligações muito próximas a Putin que estão bem integrados no cenário empresarial e social do Reino Unido e aceitos por causa de sua riqueza”, disse o relatório parlamentar, que descreveu Londres como uma “lavanderia” para dinheiro sujo.

O governo do Reino Unido poderia retirar os vistos dos russos visados, disse Tyler Kustra, professor assistente de política e relações internacionais da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, à CNN Business no início deste ano.

“Esses oligarcas e pessoas de alto escalão na Rússia não querem passar todo o tempo em Moscou”, disse ele. “Eles gostam de poder voar para Heathrow, sair e morar em suas casas em Belgravia, Chelsea e Kensington, e fazer compras na Harrods.”

“Se nos sentarmos e tirarmos seus vistos, isso seria muito mais assustador para eles”, acrescentou Kustra, que estuda sanções econômicas.

Impacto: Rússia

Moscou já está pagando um alto preço financeiro por sua agressão.

O índice de ações MOEX de Moscou caiu 1,5% na terça-feira, depois de cair mais de 10% na segunda-feira, trazendo perdas até agora este ano para cerca de 20%.

As ações da petrolífera russa Rosneft foram as mais atingidas na terça-feira, caindo 7,5%.

No total, mais de US$ 30 bilhões foram eliminados do valor das ações russas somente nesta semana.

“Esperamos mais quedas no curto prazo no mercado de ações russo”, escreveram analistas do JPMorgan Chase em nota aos clientes na terça-feira.

O banco de Wall Street rebaixou as ações russas para “neutra” de “excesso de peso”.

As sanções mais discutidas podem reduzir em 1% o produto interno bruto da Rússia, de acordo com analistas da Capital Economics, mas medidas mais agressivas, como bloquear a Rússia do SWIFT, podem reduzir a produção econômica em 5%.

De acordo com a Capital Economics, a economia da Rússia está em melhor posição para resistir a um choque do que em 2014, quando as sanções ocidentais e a queda dos preços do petróleo se combinaram para derrubar cerca de 2,5% do PIB do país e desencadear uma crise financeira.

O balanço da Rússia é mais forte, sua dívida externa é menor e suas conexões financeiras com as principais economias são menores.

“A questão-chave agora é até onde o presidente Putin quer ir na Ucrânia”, disse Kit Juckes, analista do Société Générale.

“Claramente, ir além da atual área de conflito aumentaria a situação à medida que as tropas russas se engajassem com as forças ucranianas”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN