Bitcoin cai 8% após invasão russa à Ucrânia e chega a US$ 35.000

Moeda perdeu quase metade do valor desde a alta de US$ 68.990 em novembro, devido a tensões geopolíticas e política monetária do Federal Reserve

Outras criptomoedas também caíram fortemente nesta quinta-feira
Outras criptomoedas também caíram fortemente nesta quinta-feira Foto: Yuriko Nakao / Colaborador / Getty Images

Michelle TohRob McLeando CNN Business*

em Nova York e Hong Kong

Ouvir notícia

O preço do Bitcoin caiu abaixo de US$ 35.000 nesta quinta-feira (24), depois que o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma operação militar na região de Donbas, na Ucrânia.

O Bitcoin estava sendo negociado a US$ 34.969 às 3h22 no horário de Brasília, de acordo com o CoinMarketCap. Isso é um declínio de mais de 8% em relação ao dia anterior.

A criptomoeda mais valiosa do mundo caiu abaixo de US$ 40.000 no fim de semana e continua a cair à medida que a crise na Ucrânia se intensifica.

A moeda perdeu quase metade de seu valor desde a alta de US$ 68.990 em novembro devido a tensões geopolíticas, a perspectiva de aumento das taxas de juros pelo Federal Reserve dos EUA e restrições de algumas das principais economias em ativos digitais.

Outras criptomoedas também caíram fortemente nesta quinta-feira. O Ethereum caiu mais de 12%, de acordo com o CoinMarketCap, enquanto o dogecoin caiu mais de 14%.

Ethereum e dogecoin foram negociados pela última vez a US$ 2.349 e 10 centavos, respectivamente.

Edward Moya, analista sênior de mercado das Américas da Oanda, disse em nota aos clientes nesta quinta que “muitos investidores de criptomoedas foram humilhados pelo último crash“.

“Eles hesitam em aumentar as participações, dada a tremenda incerteza para ativos de risco”, acrescentou.

Moya previu que o bitcoin provavelmente continuaria a “ver uma resistência decente do nível de US$ 40.000, já que as tensões geopolíticas impedirão que ativos de risco obtenham grande recuperação”.

— Diksha Madhok, da CNN Business americana, contribuiu para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN