Bitcoin registra preço recorde; ethereum e binance seguem o mesmo ritmo

TRansferências de recursos para o bitcoin somaram US$ 95 milhões na semana passada, representando os maiores ingressos de todos os ativos digitais

Símbolo do bitcoin
Símbolo do bitcoin REUTERS/Dado Ruvic

Artur Nicocelido CNN Brasil Business*

São Paulo

Ouvir notícia

Uma das criptomoedas mais adoradas pelos investidores, o bitcoin (BTC), atingiu um novo recorde na tarde desta quarta-feira (10). Às 13h26, horário de Brasília, segundo o CoinGecko, a moeda digital estava cotada a US$ 68,60, superando a alta da última terça-feira (9), a US$ 68,42.

O Cointelegraph apontou que em 45 minutos, a criptomoeda ganhou mais de US$ 2 mil. Às 15h34, horário de Brasília, o BTC estava cotado a US$ 68,51.

“O aumento do preço da criptomoeda é a confirmação de uma configuração de mercado incrivelmente forte que se desenvolveu ao longo de outubro”, disse Mikkel Morch, diretor-executivo do fundo de hedge de ativos digitais e criptográficos ARK36 à Reuters.

Alex Buelau, sócio da Parfin, plataforma de investimentos em criptoativos, afirma que a alta da inflação puxa tanto investidores institucionais quanto pessoas físicas para o universo das criptomoedass. “E, historicamente, novembro e dezembro são meses que o bitcoin costuma ter alta”, declara.

Os preços ao consumidor nos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em outubro, com a alta do custo do combustível e dos alimentos levando ao maior ganho anual desde 1990, em sinal de que a inflação pode permanecer alta até o próximo ano em meio a problemas globais nas cadeias de oferta.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,9% no mês passado, após alta de 0,4% em setembro, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira (10). Nos 12 meses até outubro, o índice aumentou 6,2%, o maior avanço anual desde novembro de 1990, após salto de 5,4% em setembro.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice teve alta de 0,6% após subir 0,2% em setembro. O chamado núcleo da inflação saltou 4,6% na base anual, a maior alta desde agosto de 1991, após permanecer em 4,0% por dois meses consecutivos. Economistas consultados pela Reuters previam alta de 0,6% para o índice e 0,4% para o núcleo da inflação.

Embora o Federal Reserve tenha reafirmado na semana passada sua crença de que a alta inflação atual “deve ser transitória”, Sam Bullard, economista sênior da Wells Fargo acredita que “as interrupções no fornecimento e a recuperação dos serviços representam uma preocupação substancial de que uma inflação mais alta do que a esperada possa persistir por mais tempo do que o Fed afirma”.

Os fãs da moeda digital começaram a comemorar no Twitter a alta da cripto.

Às 15h30, o ethereum e o binance custavam US$ 4.830,93 e US$ 643,76, respectivamente.

Histórico ascendente do BTC

Ainda nesta semana, a administradora de ativos digitais CoinShares, apontou que o fluxo para produtos e fundos de BTC atingiram um recorde de US$ 6,4 bilhões neste ano.

Os recursos transferidos para o bitcoin somaram US$ 95 milhões na semana passada, representando os maiores ingressos de todos os ativos digitais, enquanto o fluxo em oito semanas para a criptomoeda foi de US$ 2,8 bilhões.

O bitcoin chegou a US$ 66 em outubro, impulsionado por uma onda de compras depois que o primeiro fundo negociado em Wall Street, o $BITO, começou a ser negociado.

*Com informações da Reuters

 

 

 

Mais Recentes da CNN