Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    BlackRock diz que guerra da Rússia na Ucrânia é o fim da globalização

    Larry Fink, CEO da gestora, disse que a pandemia de coronavírus já havia iniciado este movimento

    Logo da BlackRock em painel na bolsa de valores de Nova York
    Logo da BlackRock em painel na bolsa de valores de Nova York Foto: Reuters/Brendan McDermid

    Anna Coobando CNN Business

    Ouvir notícia

    A invasão da Ucrânia pela Rússia acabou com a globalização como a conhecemos, diz o chefe da BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo.

    O CEO da BlackRock, Larry Fink, disse aos acionistas em uma carta nesta quinta-feira (24) que a “dissociação da Rússia da economia global” após seu ataque à Ucrânia fez com que governos e empresas examinassem sua dependência de outras nações.

    “A invasão russa da Ucrânia pôs fim à globalização que experimentamos nas últimas três décadas”, escreveu Fink.

    O CEO, cuja empresa administra US$ 10 trilhões em ativos, previu que o isolamento da Rússia “levará empresas e governos em todo o mundo a reavaliar suas dependências e reanalisar suas pegadas de fabricação e montagem”.

    Mas alguns países podem se beneficiar concentrando-se na construção de suas indústrias domésticas, como empresas onshore ou “nearshore” de suas operações, disse ele.

    Fink disse que a pandemia de coronavírus já havia iniciado este movimento

    No início da pandemia, os países lutaram para garantir equipamentos de proteção individual fabricados na China, desesperadamente necessários. Quando as economias reabriram — e a demanda aumentou — os gargalos da cadeia de suprimentos ajudaram a empurrar a inflação para níveis não vistos em décadas.

    A escassez de chips semicondutores, em particular, afetou as indústrias no ano passado, de montadoras a empresas de tecnologia.

    E agora o ataque da Rússia à Ucrânia — seguido por sanções ocidentais rápidas e punitivas, e uma série de saídas de empresas — interrompeu os mercados internacionais de exportação.

    O preço do petróleo Brent, referência global, subiu acima de US$ 139 o barril no início de março, com os compradores temendo choques de oferta, embora o petróleo tenha caído desde então.

    “A segurança energética se juntou à transição energética como uma das principais prioridades globais”, disse Fink.

    Embora Fink preveja que o consumo de carvão possa aumentar no próximo ano, à medida que a Europa e a Ásia tentam se livrar do petróleo e do gás russo, o aumento dos preços da energia provavelmente tornará as energias renováveis ​​mais competitivas, disse ele.

    “A longo prazo, acredito que eventos recentes realmente acelerarão a mudança para fontes de energia mais verdes em muitas partes do mundo”, escreveu Fink.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN