Brasil registra recorde de geração de energia solar em fevereiro

Dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a pedido da CNN

REUTERS/Carlos Barria/File Photo

Iuri Corsinida CNN

Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O Brasil fechou o mês de fevereiro com a maior taxa de geração de energia solar da história. Foram mais de 1,2 mil MWm (Megawatt-médio) gerados, o dobro do registrado no mesmo período do ano passado.

Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), produzidos a pedido da CNN.

O número já estava dentro do esperado, uma vez que novas usinas solares estão entrando no mercado, um reflexo do caminho seguido pelo país de optar por energias mais limpas e diversas, como disse Ricardo Gedra, Gerente de análise e informações ao mercado da CCEE.

“De positivo, podemos citar a diversificação da matriz elétrica brasileira. Ter uma matriz diversificada é bom, pois você não fica na dependência de poucas, como as termelétricas e hídricas. Esse aumento para o país traz mais segurança e robustez para o sistema elétrico brasileiro”, explicou ele.

Atualmente, da capacidade total de geração de energia no Brasil (incluindo todas as fontes), apenas 2,5% correspondem à energia solar.

Além disso, aproximadamente 1,6% da eletricidade consumida no Brasil provém da energia solar centralizada, gerada pelas grandes usinas. Esses números, diz Gedra, devem aumentar significativamente ao longo dos próximos 10 anos.

O especialista também atribui esse avanço da geração de energia solar, principalmente puxada pela geração centralizada, ao crescimento do mercado livre no Brasil.

“As grandes empresas no Brasil têm agora a opção de comprar energia no mercado livre. E como elas tem essa opção, podem escolher a fonte que lhes convém. Muitas têm optado por fontes renováveis.

Essa questão da liberdade dos consumidores (que hoje ainda está restrita a grandes empresas) têm fomentado a energia solar e eólica, já que cada vez mais as empresas têm pensado nos impactos ambientais”, concluiu.

Os dados da CCEE se refletem, por exemplo, no número de consumidores deste tipo de energia. A quantidade de unidades consumidoras abastecidas por energia solar no Brasil dobrou nos últimos 12 meses.

Em março foram registrados 1,1 milhão de estabelecimentos, entre residências e empresas, frente aos 511 mil estabelecimentos, no mesmo período de 2021, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

Mais Recentes da CNN