Carteira de dividendos: veja 10 ações recomendadas por corretoras para novembro

Empresa do setor elétrico, mineradora e banco lideram em número de recomendações

Dividendos são a parte do lucro da companhia distribuída para os acionistas
Dividendos são a parte do lucro da companhia distribuída para os acionistas Pexels

João Pedro Malardo CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

Os dividendos representam uma parte do lucro de uma empresa que é dividida entre os seus acionistas. Eles são uma das principais formas de se obter dinheiro a partir de ações e, por isso, os investidores podem planejar investir em determinado ativo devido à expectativa de distribuição de altos dividendos.

Diversas casas de investimentos elaboram carteiras com ações recomendadas pensando especificamente nos ativos com histórico, ou previsão, de pagamento robusto de dividendos.

Entretanto, o dividendo depende do lucro da cada companhia, e portanto está ligado com as questões macroeconômicas, setoriais e individuais de cada empresa, com suas influências no desempenho corporativo.

Para o mês de novembro, a atenção dos investidores está concentrada na PEC dos Precatórios, e como o governo financiará o Auxílio Brasil. Além disso, inflação e juros em alta afetam a economia, que continua em um processo de retomada pós-pandemia com o avanço da vacinação.

A carteira

O CNN Brasil Business reuniu as 10 ações mais citadas nas carteiras de dividendos para o mês de novembro. Ela foi criada a partir das recomendações da XP Investimentos, BTG Pactual, Órama, Genial Investimentos, Guide, Nu Invest e Investmind.

O ativo mais recomendado foi a unit da Taesa (TAEE11), empresa do setor elétrico, seguida pela mineradora Vale (VALE3) e pelo Bradesco (BBDC4). Confira:

Taesa

Ação: TAEE11

Comentário: Guide Investimentos

“A empresa permanece com sólida execução das novas concessões, além do atrativo dividend yield [rendimento do dividendo] em que as ações estão sendo negociadas. O baixo risco regulatório da Taesa, que possui contratos longos, com vencimento a partir de 2030, é outro ponto de destaque. A empresa historicamente reporta geração de caixa constante e robusta, com margens bastante elevadas.

Entre os riscos, destacam-se o desenvolvimento dos novos projetos, que podem ter atrasos e custos acima do esperado, e a demora no processo de integração de novos ativos operacionais adquiridos”.

Bradesco

Ação: BBDC4

Comentário: BTG Pactual

“Temos recebido várias consultas ultimamente sobre o mau desempenho recentes das ações de bancos, uma vez que muitos investidores esperavam que o setor ficasse mais defensivo no atual cenário de inflação/juros mais elevados. No geral, vemos um cenário construtivo para o setor.

A margem financeira com clientes pode crescer acima de 10% em 2022, com as inadimplências e as provisões sob controle.

E apesar de um nível de sinistralidade que ainda não recuou para patamares históricos dentro do Bradesco Saúde, os papéis do banco negociam a 1,3x P/VP (Preço da ação/valor patrimonial), e dividend yield estimado de 7,9%, assim vemos as ações negociando em níveis atraentes”.

Vale

Ação: VALE3

Comentário: Investmind

“A Vale é uma das maiores empresas de mineração do mundo e capturou o movimento de alta das commodities no primeiro semestre do ano.

Com a queda brusca do preço do minério de ferro chegando a US$ 90 por tonelada, o preço-alvo reflete um patamar mais baixo nas receitas da empresa ainda esse ano, porém já observamos uma estabilização do minério em torno de US$ 120 por tonelada, que segue em linha com nossas expectativas para a média anual e de longo prazo que se mantém até 2024, então, enxergamos um upside considerável para o papel.

Seguimos com nossa tese de que a Valedeve continuar a se mostrar eficiente na operação e a apresentar alto dividend yield. Esperamos um dividend yield de 9% em 2021”.

Itaú SA

Ação: ITSA4

Comentário: Investmind

“A holding segue diversificando seu portfólio em uma tentativa de ser menos dependente e correlacionada com os resultados do Itaú Unibanco. Os destaques recentes ficam por conta da cisão da XP Inc., da incorporação da Aegea e da alteração de razão social da Dexco (antiga Duratex) e da Copa Energia (antes Copagaz).

Mesmo tendo boas perspectivas para os demais negócios do conglomerado, dificilmente o banco não será o principal driver da Itaúsa pelos próximos anos, devido à diferença de robustez dos negócios.

Apesar disso, temos observado resultados acima das expectativas para o Itaú, que consegue entregar níveis altos de rentabilidade mesmo em um cenário de pandemia. Entretanto, nos chamou a atenção a evolução do desconto entre o valor de mercado da Itaúsa e o valor de mercado da soma de suas partes.

Como acreditamos que o papel está descontado em relação ao seu real valor de mercado e a Itaúsa se configura como uma boa pagadora de dividendos (payout médio de 64% nos últimos 5 anos e 6% de dividend yield esperados para 2021), apostamos em suas ações para o portfólio de dividendos”.

Engie

Ação: EGIE3

Comentário: Órama

“A Engie é uma empresa com foco em geração de energia elétrica, mas também com participações em distribuição e em gás natural. Desde a privatização foi excelente pagadora de dividendos, bem como excelente alocadora de capital, entrando em projetos atípicos com alta taxa de retorno e tendo sucesso consistente.

Além das boas perspectivas associadas às iniciativas recentes no mercado de gás e em eólicas, recomendamos a ação nesta carteira especialmente pelos proventos recorrentes que a companhia paga aos acionistas”.

Copel

Ação: CPLE6

Comentário: BTG Pactual

“Os 4.756 MW de capacidade da Copel geram energia mais do que suficiente para atender à demanda do varejo, de modo que a empresa atualmente vende o excedente ao sistema interligado brasileiro.

Atualmente, a política de dividendos é de payout de 65% caso a alavancagem fique abaixo de 1.5x dívida líquida /Ebitda, e tudo indica que ficará abaixo. A Copel está sendo negociada a uma TIR (Taxa Interna de Retorno) implícita de 9% e dividend yield estimado para 2021 é de 11%”.

Isa Cteep

Ação: TRPL4

Comentário: XP Investimentos

“Durante o mês de outubro, as ações tiveram uma performance melhor do que índice Ibovespa. Acreditamos que o movimento pode ser justificado devido à percepção defensiva que o segmento de transmissão demonstra em meio a um cenário macro desafiador.

Continuamos a não enxergar grandes riscos para a manutenção do pagamento de dividendos da Isa Cteep em 75% do lucro líquido regulatório, dada a sua posição de caixa confortável e a resiliência do segmento de transmissão de energia. Estimamos um dividend yield de 7,6% em 2022”.

Companhia Energética de São Paulo

Ação: CESP6

Comentário: Órama

“A Cesp é uma empresa geradora de energia, hoje controlada pelo grupo Votorantim. A empresa tem um fluxo de caixa bem estável, vindo das usinas hidrelétricas que ela opera, em especial Porto Primavera.

O grupo controlador acabou de propor uma fusão da Cesp com todos os seus ativos de geração, o que pode fazer a companhia dobrar de tamanho.

Além do fluxo de caixa estável, a empresa tem também uma série de ativos e passivos judiciais bastante importantes, e nós acreditamos que esse componente está precificada de forma excessivamente conservadora”.

Telefônica Brasil

Ação: VIVT3

Comentário: Guide Investimentos

“A empresa possui um portfólio completo de serviços de telecom para pessoas físicas, além de soluções corporativas para empresas de todos os tamanhos.

A Vivo aguarda a decisão do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) sobre a aquisição da Oi Móvel em conjunto com Claro e TIM.

No segundo trimestre, a empresa reportou crescimento de suas unidades core, impulsionado pelo crescimento do número de clientes móvel e FTTH. A margem Ebitda no trimestre veio acima do consenso, com a exclusão do ICMS da base de cálculo de PIS/Cofins e contingências.

Vemos os papéis da empresa sendo negociados a um múltiplo atraente, quando comparado a sua média histórica, e ainda possuir um dividend yield robusto”.

Petrobras

Ação: PETR4

Comentário: Investmind

“Enxergamos o investimento em Petrobras com otimismo. Acreditamos que as ações estejam bastante descontadas em relação ao preço-alvo que encontramos em nosso modelo. Porém, é importante ressaltar que a tese de investimentos da Petrobras possui diversos riscos.

Nosso cenário base é de manutenção dos três pilares que sustentam a tese: foco no segmento de E&P no Pré-Sal; venda de ativos não essenciais; manutenção da política de preço de combustíveis.

O terceiro trimestre ficou marcado pela continuidade da estratégia da companhia, em especial da redução da dívida bruta, que superou a meta e destravou uma distribuição de dividendos de mais de R$ 2,40 por ação.

Além disso, se fizermos uma análise por múltiplo EV/Ebitda, vemos que a empresa está muito descontada em relação à sua média histórica, praticamente no mesmo patamar visto durante a derrocada do mercado no crash do Covid, em 2020. Para este ano, esperamos dividend yield de 9%”.

Mais Recentes da CNN