Com a pandemia, setor de comércio eletrônico deve crescer 18% em 2020

A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm) estima que, até o final do ano, o Brasil tenha cerca de 135 mil lojas virtuais ativas

Da CNN

Ouvir notícia

Algumas empresas brasileiras têm conseguido superar a crise causada pela pandemia do novo coronavírus e se valorizaram. Muitas delas são do setor de comércio eletrônico, que prevê crescer 18% este ano, em comparação com 2019.

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), desde o início da pandemia, as vendas online cresceram 70% em todo o mundo. Em condições normais, essa marca levaria cerca de dez anos para ser atingida.

Das dez empresas que mais ganharam valor de mercado na pandemia na Bolsa Brasileira (B3), quatro são do setor de e-commerce: Magazine Luiza, B2W Digital, ViaVarejo e Lojas Americanas, segundo a Economática.

As vendas digitais do Magazine Luiza durante o isolamento social, por exemplo, já representam 53% do faturamento total da rede varejista.

Entre janeiro e março deste ano, o Magazine Luiza teve um crescimento de 34% em relação ao ano passado. Em julho, o valor de mercado da empresa ultrapassou os R$ 136 bilhões, 49% a mais que em fevereiro, quando a pandemia ainda não havia chegado no país.

Assista e leia também:

Varejo não vai aceitar aumento de impostos, diz Luiza Trajano, do Magazine Luiza

Magalu adere ao cashback e vai devolver dinheiro de compras feitas pelo app

País fecha 11 mil vagas formais em junho e surpreende o mercado, aponta Caged

As mais de 1.100 lojas do Magazine voltaram a receber clientes, mas enquanto estiveram fechadas em função das medidas de isolamento social, se transformaram em pequenos centros de distribuição para atender às compras online. Agora, com o crescimento do e-commerce, parte da loja vai permanecer reservada para armazenar produtos e ir direto para a casa do consumidor.

De acordo com o diretor executivo do Magalu, Eduardo Galanternick, houve uma aposta na aliança entre lojas físicas e online — inclusive no investimento em marketplace, modalidade em que outras empresas podem oferecer seus produtos na mesma plataforma de comércio eletrônico.

A Abcomm espera que, até o final do ano, o Brasil tenha cerca de 135 mil lojas virtuais ativas. 

(Edição: Bernardo Barbosa)

 

Mais Recentes da CNN