Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como este gato laranja se tornou uma voz para trabalhadores sindicais dos EUA

    Jorts se tornou uma espécie de mascote do movimento trabalhista nos Estados Unidos, que chamou atenção nacional ao longo do ano passado

    Jorts: gato vira mascote de movimento sindical nos EUA
    Jorts: gato vira mascote de movimento sindical nos EUA Reprodução

    Allison Morrowdo CNN Business

    Ouvir notícia

    Um gato malhado laranja chamado Jorts se tornou uma espécie de mascote do movimento trabalhista nos Estados Unidos.

    E se nada disso te encanta, você pode parar de ler agora.

    Jorts, junto com seu companheiro felino Jean, ficou famoso na internet em dezembro, quando um autor anônimo postou uma história muito doce no Reddit sobre os dois gatos do local de trabalho.

    No post, o autor brinca sobre como Jorts é fofo, mas, bem, meio burro. Pelo menos em comparação com Jean, um gato de casco de tartaruga que pode abrir portas e não cair na lixeira o tempo todo como Jorts faz. Jean é claramente o cérebro da operação, no relato do autor.

    A história evolui para uma disputa com um colega de trabalho que acusa o autor de “perpetuar estereótipos étnicos ao dizer que gatos laranja são burros”.

    Como acontece frequentemente na internet, o post ganhou vida própria. Linhas de batalha foram traçadas, alianças pró-Jorts formadas e Jorts conseguiu sua própria conta no Twitter. (Ou principalmente dele próprio, de qualquer maneira – Jean o ajuda.) Ele agora tem quase 139.000 seguidores.

    “A explosão de fanarts e memes foi tão divertida e realmente tocante”, disse o humano por trás da conta de Jorts no Twitter, que pediu para permanecer anônimo.

    “Acho que estávamos em um momento coletivo em que precisávamos de algo carinhoso para nos reunir”, disse a pessoa sobre a fama repentina dos gatos. “Foi também uma daquelas raras histórias em que não havia vilão. A vida é cheia dessas histórias, mas elas não explodem com frequência na internet.”

    Não demorou muito para Jorts se revelar como um gato dos sindicatos. Um tweeter prolífico, Jorts se dedicou a sustentar contas pró-trabalho, lutando contra a desigualdade e condenando a ganância corporativa. Além disso, pássaros. E sonecas. E derrubando copos de água.

    “Eu realmente não esperava que ‘Jorts’ pegasse esse momento de viralidade e o transformasse em um feed totalmente charmoso e militantemente pró-sindicato”, tuitou o cartunista político Tom Tomorrow.

    A mistura de conselhos práticos de organização e pura bobagem de Jorts aproveita o fervor renovado da América pela sindicalização e o amor duradouro da internet por memes de gatos.

    No início deste mês, Jorts e Jean tuitaram seus “quatro passos para formar um sindicato” – um para cada uma de suas patas.

    Sindicatos nos EUA

    O trabalho organizado nos Estados Unidos está desfrutando de um renascimento sob Joe Biden, o presidente mais pró-sindicato desde Lyndon Johnson, ou talvez mais que nunca, dependendo de para quem você pergunta.

    Uma pesquisa da Gallup no outono passado descobriu que 68% dos entrevistados têm uma visão positiva dos sindicatos – a melhor leitura para essa pergunta remonta a 1965, e acima de apenas 48% em 2009.

    Os trabalhadores mais jovens são ainda maiores apoiadores dos sindicatos, com 77% dos que têm 34 anos ou menos tendo uma visão positiva.

    Ao longo do ano passado, os esforços de sindicalização e greves (e os esforços dos gerentes para reprimi-los) chamaram a atenção nacional.

    Em dezembro, um Starbucks em Buffalo, Nova York, tornou-se o primeiro local nos Estados Unidos a se sindicalizar, apesar da implantação de uma falange de executivos tentando dissuadir os trabalhadores. Desde então, dezenas de lojas Starbucks em todo o país começaram seus próprios esforços.

    Enquanto isso, os trabalhadores da Amazon em Bessemer, Alabama, renovaram seus esforços de organização após uma derrota na primavera passada, e a Target está aconselhando abertamente seus gerentes sobre como impedir que os funcionários se sindicalizem.

    Contra esse pano de fundo, Jorts é ao mesmo tempo uma presença puramente fofa e um acérrimo defensor do trabalho, munido de conselhos práticos e links para recursos do National Labor Relations Board, entre outros.

    Em um tópico publicado em janeiro, Jorts ofereceu uma foto fofa de si mesmo ao lado de um tópico sóbrio sobre o que pode e o que não pode ser falado no local de trabalho.

    “É ilegal seu chefe proibir você de discutir seus salários com seus colegas de trabalho, e lembre-se também de que há mais funcionários do que chefes”, diz um dos tuítes.

    De certa forma, Jorts lembra outro ícone ruivo do Twitter: o mascote do Philadelphia Flyers, Gritty. Aquele monstro de 7 pés de olhos arregalados também é uma sensação da internet que se tornou a estrela de inúmeros memes antifascistas e anticapitalistas desde que foi apresentado em 2018.

    A principal diferença, além de sua óbvia disparidade de tamanho, é que Gritty é apolítico – sua grande cara de bobo funciona muito bem em memes liberais, por razões que não fazem nenhum sentido lógico, mas não precisam de explicação nas mídias sociais.

    Tanto Jorts quanto Jean vivem em tempo integral em um local de trabalho que funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana, disse a pessoa por trás da conta no Twitter à CNN Business. “Se um gato está doente, eles voltam para casa com alguém… Eles moram no trabalho, mas sempre há alguém no local.”

    A pessoa disse que gostaria de pensar que os gatos não estão cientes de sua fama repentina, mas “Eu quase juro que Jean sabe”.

    Ah, Jean.

    Um dos elementos mais cativantes da presença de Jorts no Twitter é sua ternura e afeição por Jean, uma espécie de irmão mais velho sábio que está guiando Jorts em sua jornada em direção à justiça e à igualdade.

    Em um post particularmente carinhoso, Jorts publica uma foto de Jean com a declaração: “Muitas coisas estão empilhadas realmente injustamente agora. Jean diz que, uma vez que nomeamos a injustiça, o próximo passo é planejar como vamos combatê-la”.

    Apesar das mensagens articuladas de Jorts e das visões progressistas sobre os direitos dos trabalhadores, ele não está interessado em cargos políticos no momento, de acordo com a pessoa por trás da conta.

    “Jorts é muito jovem para concorrer a um cargo”, disse a pessoa. “Além disso, Jorts e Jean concordam que concorrer a um cargo que impactaria a lei humana é melhor deixar para alguém que tenha experiência direta em ser humano”.

    Chris Isidore, da CNN Business, contribuiu para este artigo.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN