Dura realidade do Brexit afeta todos os britânicos, menos Boris Johnson

Moradores do Reino Unido já enfrentam escassez de alimentos e outros produtos – e a situação pode piorar no fim do ano; ainda assim, premiê quase não sofre impactos políticos

Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante entrevista coletiva em Londres
Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante entrevista coletiva em Londres Toby Melville - 7.set.2021/Reuters

Luke McGeedo CNN Business

Ouvir notícia

De uma ponta à outra da cadeia de abastecimento, os produtores de alimentos do Reino Unido passaram por meses problemáticos no verão europeu.

“Os armazéns frigoríficos não tinham espaço suficiente para nossas safras, então tivemos que jogar fora a produção de uma semana”, explica Iain Brown, vice-presidente do East Scotland Growers (ESG).

“E não temos trabalhadores suficientes para colher nossas plantações de hortaliças, o que significa que elas serão descartadas.”

Embora a escassez de alimentos tenha sido comum em muitos países durante a pandemia de Covid-19, Brown acredita que um problema exclusivo do Reino Unido está tornando a vida ainda mais dolorosa: o Brexit.

De acordo com Brown, as duas pontas essenciais da produção – primeiro, retirar alimentos frescos do solo e, depois, distribuí-los nas prateleiras dos supermercados – estão sofrendo devido à falta de trabalhadores.

Em primeiro lugar, a falta de motoristas de caminhão, que levam itens frescos como couve-flor para instalações de congelamento, significou que a cooperativa ESG em um estágio teve que jogar fora a produção de uma semana, a um custo estimado de £ 1 milhão (R$ 7,2 milhões).

Em segundo lugar, Brown diz que muitos dos trabalhadores sazonais, que viriam de países como Romênia e Bulgária por alguns meses para colher vegetais, agora estão em falta.

“Alguns não vieram porque os regulamentos da Covid-19 tornam tudo muito difícil; alguns vieram, ganharam muito dinheiro e foram para casa mais cedo do que o planejado.”

Isso significa que cerca de 10% a 15% da colheita foi para o lixo, causando prejuízo de cerca de £ 200 mil (R$ 1,4 milhão).

Parece que as consequências do Brexit estão sendo finalmente sentidas em todo o Reino Unido.

E ao contrário dos planaltos ensolarados prometidos pelos membros do governo do primeiro-ministro Boris Johnson, a escassez de trabalhadores europeus nessas áreas vitais significa perdas financeiras para as empresas e prateleiras vazias.

Um trabalhador imigrante colhe alface em uma fazenda em Kent, na Grã-Bretanha
Um trabalhador imigrante colhe alface em uma fazenda em Kent, na Grã-Bretanha / Neil Hall – 24.jul.2017/Reuters

Já a falta de caminhoneiros é provavelmente o problema mais imediato. Estima-se que o país precise de entre 90.000 e 120.000 trabalhadores nessa área, de acordo com um porta-voz da Logistics UK.

Embora o Brexit não seja o único culpado, o fato de o Reino Unido não ter mais acesso fácil aos motoristas europeus criou uma dor de cabeça para a indústria.

Essas pessoas não podem ser simplesmente substituídas por trabalhadores britânicos. Além do fato de que pode levar até nove meses para se qualificar como motorista a um custo de até £ 5.000 (R$ 36,2 mil), de acordo com a Logistics UK os britânicos não estão fazendo fila para aceitar esses empregos.

“Temos uma força de trabalho envelhecida no Reino Unido e a imagem das condições de trabalho para motoristas de caminhão – vagas de estacionamento inseguras ou falta de lugares para descansar – torna esse trabalho pouco atraente para muitos jovens”, disse um porta-voz da Logistics UK.

Isso cria uma escolha difícil para as empresas: quais produtos priorizar? Se tiver apenas um caminhão saindo do depósito naquele dia, provavelmente a prioridade será para produtos perecíveis em vez de coisas como água engarrafada.

No longo prazo, isso significa menos escolha para o consumidor e a possibilidade de pânico, como foi visto em 2020, quando a Grã-Bretanha registrou falta de papel higiênico.

Para se ter uma ideia da gravidade do problema, os chefes dos maiores supermercados britânicos descreveram a escassez de alimentos como sem precedentes – um disse ao jornal The Times que estavam “em um nível pior do que em qualquer época” – e avisaram que as prateleiras podem ficar vazias no Natal devido à falta de motoristas.

Essas situações deveriam ser favoráveis para os oponentes políticos de Johnson, que poderiam dizer que a alegação de Johnson de que tinha um acordo do Brexit “pronto para ser assinado” em 2019 – promessa com a qual ele venceu uma eleição geral – era falsa.

Os críticos do governo dizem que ele falhou em se preparar adequadamente para as consequências inevitáveis ​​do Brexit e mitigar seu impacto inicial.

O crescimento do PIB do Reino Unido quase parou em julho, de acordo com o Office for National Statistics, em parte por causa dos problemas da cadeia de abastecimento e da escassez de trabalhadores.

A economia da Grã-Bretanha continua 2,1% menor do que antes da pandemia, e alguns economistas acham que a diferença não será compensada até o segundo trimestre do ano que vem.

“Ao longo de todo o processo do Brexit, o governo descobriu que seus esforços para preparar as empresas e as pessoas para a turbulência inevitável eram prejudicados por sua necessidade de apresentar o Brexit como algo que seria positivo para o Reino Unido e a economia”, disse Sam Lowe, pesquisador sênior no Centro para a Reforma Europeia.

Falta de motoristas de caminhão tem causado escassez em mercados do Reino Unido
Falta de motoristas de caminhão tem causado escassez em mercados do Reino Unido / Reuters

“Isso levou a anúncios de rádio confusos que nem mesmo mencionavam a palavra Brexit, orientações atrasadas e mudanças de opinião de última hora.”

Pior, o governo de Johnson está agora na estranha posição de se recusar a implementar uma parte importante do acordo que antes considerou um grande sucesso.

O Reino Unido deveria aplicar totalmente um mecanismo chamado Protocolo da Irlanda do Norte ainda este ano.

O Protocolo foi acordado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) para refletir o status especial da Irlanda do Norte: Fora da UE, junto com o resto do Reino Unido, mas compartilhando uma fronteira terrestre sem restrições com a República da Irlanda, um estado-membro da UE.

Segundo o Protocolo, as mercadorias podem fluir livremente entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, evitando a necessidade de uma fronteira física – uma medida essencial para prevenir o retorno da violência sectária na ilha.

O Reino Unido concordou que, por sua vez, protegeria o mercado único da UE, fiscalizando os produtos que entram na Irlanda do Norte vindos da Grã-Bretanha.

Fazer isso efetivamente criaria uma fronteira marítima entre a Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido, algo que seria muito desconfortável para Johnson, que gosta de se retratar como um arqui-defensor da União.

Logistics UK estima que Reino Unido precise de entre 90.000 e 120.000 motoristas para transporte de mercadorias
Logistics UK estima que Reino Unido precise de entre 90.000 e 120.000 motoristas para transporte de mercadorias / Reuters

Também seria um anátema para os sindicalistas em Belfast, que nesta semana ameaçaram derrubar o frágil acordo de divisão de poder da região sobre a questão.

A última coisa que Johnson, o homem que liderou a campanha do Brexit em 2016, quer fazer é permitir que seus oponentes afirmem que o Brexit não só isolou a Irlanda do Norte do resto do Reino Unido, mas conscientemente colocou pressão adicional nas finanças e estabilidade na região.

Isso poderia explicar por que o ministro do Brexit, David Frost, disse na segunda-feira (6) que o período de carência que permite o fluxo de mercadorias da Grã-Bretanha para a Irlanda do Norte seria estendido, sem ponto final fixo.

Isso, naturalmente, permitiu que a UE, o bicho-papão de longa data dos Brexiteers, tomasse uma posição moral elevada, lembrando à Grã-Bretanha que o acordo Brexit que Johnson assinou voluntariamente é um tratado legal.

Essas questões, embora importantes, estão longe de ser os únicos constrangimentos pós-Brexit que fazem as alegações de “país pronto” de Johnson parecerem um pouco tolas.

Apesar de garantir aos pescadores britânicos que não seriam atingidos por dificuldades de exportação para a Europa continental, os peixes estão sendo jogados de volta na água, já que os barcos não conseguem desembarcar e processar seu produto fresco a tempo de serem vendidos.

Os legisladores do próprio partido de Johnson têm recebido telefonemas de constituintes zangados por não conseguirem levar seus produtos para a Europa por causa do Brexit.

“Eles sabem que não podemos fazer nada em muitos casos. Os sites do governo não são muito úteis e eles simplesmente não estão recebendo a ajuda de que precisam”, disse um parlamentar governista à CNN.

“É difícil. Eles estão com raiva porque as pessoas estão cancelando pedidos e eu, pessoalmente, não consigo obter um visto francês para eles”, acrescentou.

De acordo com uma reportagem da Reuters na semana passada, a Grã-Bretanha está “em vias de perder seu status de um dos dez principais parceiros comerciais da Alemanha este ano pela primeira vez desde 1950“, citando “barreiras comerciais relacionadas ao Brexit” como a causa.

Todas essas dificuldades foram previstas por vários críticos de Johnson, à medida que órgãos da indústria pressionavam o governo por arranjos alternativos para mitigar os danos do Brexit. Johnson tem sido repetidamente criticado por líderes da indústria e oponentes pelo que consideram sua imprudente falta de preparação.

Apesar disso, o Brexit não está sendo usada pelos oponentes políticos de Johnson, que em vez disso o estão golpeando por questões domésticas. Mas por quê?

“O problema com esse tipo de história é que elas acontecem gradativamente”, diz Rob Ford, professor de política da Universidade de Manchester.

“Uma das coisas trágicas sobre essas histórias é que, para que o público realmente preste atenção a elas, algo dramático precisa acontecer. Infelizmente, isso pode ser um motorista de caminhão sobrecarregado batendo no carro da família ou crianças adoecendo por desnutrição.”

Até esse ponto, Johnson pode desviar em grande parte a culpa por esses problemas para a pandemia.

Ford observa que isso cai bem com sua base de eleitores a favor da saída da UE, muitos dos quais estão cansados ​​de ouvir que o Brexit foi um desastre, e muitas vezes dispostos a acreditar em outras explicações.

Mas o Brexit realmente está começando a afetar o país. Não que o Reino Unido vá desmoronar imediatamente. Mas, aos poucos, muitas das garantias feitas em 2016 e durante anos de negociações vão se quebrando.

Talvez um dia Johnson considere politicamente conveniente introduzir maior mitigação contra as desvantagens do Brexit. No entanto, até mesmo o momento disso é problemático: admitir que você precisa do controle de danos significa que há danos a serem controlados.

E, dado que muito do legado político de Johnson será definido pela liderança da campanha para “libertar” a Grã-Bretanha de Bruxelas, quanto mais ele conseguir evitar as críticas não apenas pelo conceito do Brexit, mas por sua implementação escolhida, menos a sua maior conquista política se tornará uma pedra no caminho.

Mais Recentes da CNN