Em pelo menos 8 capitais, novo salário mínimo não será suficiente para comprar duas cestas básicas

Com base em dados Dieese, o custo médio da cesta básica em Florianópolis, São Paulo, Porto Alegre, Vitória, Rio de Janeiro, Campo Grande, Curitiba e Brasília é de R$ 667,24. Novo salário mínimo de R$ 1.212 passa a valer a partir de hoje

Moradores de Itapevi (SP) recebem cestas básicas
Moradores de Itapevi (SP) recebem cestas básicas Divulgação

Isabelle Resendeda CNN

Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Em pelo menos oito capitais brasileiras o novo salário mínimo, no valor de R$ 1.212, que passa a valer a partir deste sábado, 1º de janeiro, não será suficiente para comprar até duas cestas básicas de alimentos – composta por 13 itens – segundo cálculo feito pela CNN com base na última Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A conta levou em consideração o preço das cestas básicas comercializadas, em novembro de 2021, nas capitais Florianópolis (R$710,53), São Paulo (R$692,27), Porto Alegre (R$ 685,32), Vitória (R$668,17), Rio de Janeiro (R$665,60), Campo Grande (R$645,17), Curitiba (R$638,96) e Brasília (R$631,95). O Dieese ainda não divulgou os valores da cesta básica de dezembro com reajuste de preços.

O valor da cesta básica varia entre as regiões do país e, por isso, representa uma parcela diferente do salário mínimo em cada uma delas. O preço mais baixo, de R$ 473,26 (46,5% do salário mínimo), foi encontrado em Aracaju. O mais alto, de R$ 710,53 (aproximadamente 70% do salário mínimo), foi registrado em Florianópolis.

Para o Dieese, o valor do salário mínimo deveria estar em quase R$ 6 mil, considerando o nível de preços no país (também em relação a novembro de 2021). Isso é quase cinco vezes o valor estabelecido para o ano novo.

O valor do novo salário mínimo é R$ 112 acima dos atuais R$ 1.100, mas, pelo terceiro ano seguido, não representa ganho real para o bolso do brasileiro, mas apenas a recomposição de perdas geradas pela inflação.

O Ministério da Economia diz que o cálculo do novo salário mínimo considerou uma alta de 10,02% como Índice Nacional de Preços ao Consumidor previsto para todo o ano de 2021.

De acordo com as estimativas do governo federal, para cada aumento de R$ 1,00 no salário mínimo, despesas com benefícios previdenciários, abono, seguro desemprego e Benefícios de Prestação Continuada (BPC) aumentam em aproximadamente R$ 364,8 milhões no ano de 2022.

Mais Recentes da CNN