Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Este é um ótimo momento para companhias aéreas e o pior para passageiros

    Cias aéreas americanas tem lucros recordes no 2º trimestre do ano, com as quatro maiores faturando US$ 2,8 bilhões, enquanto passageiros sofrem com atrasos, cancelamentos e preços altos

    Passageiros recolhem bagagem no aeroporto de Denver, nos Estados Unidos
    Passageiros recolhem bagagem no aeroporto de Denver, nos Estados Unidos 24/11/2020 REUTERS/Kevin Mohatt

    Chris Isidoredo CNN Business

    Nova York

    Ouvir notícia

    As companhias aéreas dos Estados Unidos tiveram um dos trimestres mais lucrativos da história. E os passageiros sofreram por causa disso.

    A receita recorde que muitas companhias aéreas relataram em abril, maio e junho veio de passagens aéreas muito altas e aviões lotados. Uma série de interrupções de serviço causadas pela falta de pessoal tornou a experiência de voar ainda pior.

    No segundo trimestre, American Airlines, United, Delta e Southwest, que respondem por 80% das viagens aéreas dos EUA, faturaram um total de US$ 2,8 bilhões. As vendas aumentaram 10% em relação ao mesmo trimestre de 2019, antes da pandemia, para US$ 46 bilhões, com o aumento da demanda por viagens de lazer.

    As companhias aéreas relataram recordes nas reservas em junho para viagens durante o resto do verão. Mas elas estão voando com menos assentos disponíveis do que antes da pandemia: a capacidade nas quatro maiores companhias aéreas caiu cerca de 13% em relação a três anos atrás.

    Essa combinação de demanda muito forte e disponibilidade limitada fez as tarifas dispararem.

    Tarifas altas, voos cancelados

    O valor pago pelos passageiros por milha nas quatro grandes operadoras aumentou 19,3% no segundo trimestre em relação a 2019. Outra medida de tarifas que compara a receita de passageiros à capacidade aumentou 22%.

    Mas esses aumentos não contam toda a história. As viagens de negócios e internacionais não voltaram aos níveis pré-pandemia. Essas passagens geralmente custam muito mais do que as passagens aéreas domésticas.

    Ao contrário dos anos anteriores, quando as companhias aéreas podiam evitar alguns aumentos de tarifas para viajantes de lazer, aumentando as passagens para passageiros de negócios e internacionais, este ano a maior parte dos aumentos de tarifas está atingindo os passageiros domésticos.

    “O viajante de lazer está sofrendo com isso e, mesmo assim, está disposto a fazê-lo”, disse Jim Corridore, gerente sênior de insights da empresa de pesquisa Similarweb.

    O serviço tornou-se um grande problema também. Cerca de 134 mil voos dos EUA foram cancelados até agora este ano, de acordo com o serviço de rastreamento Flight Aware, mais do que o dobro do que foi cancelado no mesmo período do ano passado. Isso representa 2,6% de todos os voos programados até agora este ano.

    Falta de funcionários também atinge passageiros

    As companhias aéreas não têm pessoal suficiente para se recuperar quando eventos como o mau tempo causam atrasos ou quando as tripulações de voo atingem o máximo de horas que podem trabalhar sob os regulamentos federais de segurança.

    A escassez de pilotos também levou as companhias aéreas a interromper ou reduzir o serviço para dezenas de mercados menores, limitando muito ou até encerrando o serviço aéreo para muitas comunidades.

    Durante a pandemia, as operadoras ofereceram aposentadoria antecipada e outros pacotes de compra para fazer reduções voluntárias de pessoal. Todos eles ainda estão lutando para que as operações voltem ao normal enquanto lutam para contratar e treinar a equipe necessária para restaurar a capacidade.

    “Muitos pilotos se aposentaram. Não é fácil substituí-los”, disse Corridore. “É um processo longo, ainda levará um ano ou mais para que as companhias aéreas tenham uma programação completa que esse nível de demanda ditará.”

    Reclamações também aumentam

    As reclamações de passageiros ao Departamento de Transportes aumentaram para mais que o triplo dos níveis pré-pandemia.

    Os senadores Elizabeth Warren e Alex Padilla instaram o secretário de Transportes Pete Buttigieg no mês passado a reprimir o setor aéreo.

    O Departamento de Transportes anunciou na quarta-feira novas regras que exigiriam reembolsos se um voo for cancelado ou interrompido, incluindo atrasos de três horas ou mais em voos domésticos, atrasos de seis horas em voos internacionais, mudança no tipo de aeronave ou aumento no número de conexões em uma viagem.

    Mas em uma indústria desregulamentada, há pouco que Buttigieg pode fazer sobre as tarifas em si.

    Fusões significam menos opções

    Muitos culpam a consolidação do setor nos últimos 20 anos pelo estado atual das viagens. As quatro operadoras dominantes de hoje foram criadas a partir de 10 companhias aéreas por meio de uma série de fusões. E outra fusão foi anunciada na semana passada que muitos temem que mais uma vez leve a preços mais altos.

    A Spirit, pioneira em oferecer tarifas básicas muito baixas, que são complementadas por taxas para todos os tipos de extras, pressionou as grandes companhias aéreas a oferecer assentos sem frescuras semelhantes a um preço mais baixo.

    Mas a Spirit recentemente concordou em ser comprada pela JetBlue Airways por US$ 3,8 bilhões em dinheiro. A combinação formará a quinta maior companhia aérea do país, que, segundo a JetBlue, criará mais concorrência entre seus quatro maiores rivais. Mas outros especialistas dizem que a perda da Spirit, se a fusão for aprovada, só pode significar tarifas mais altas no futuro.

    “As tarifas provavelmente aumentarão se um concorrente de preço disruptivo for embora”, disse Corridore.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN