EUA suspendem 44 voos de companhias aéreas chinesas com destino à China

Ordem foi emitida "em resposta" às medidas das autoridades de aviação chinesas que forçaram as transportadoras dos EUA a cancelar o mesmo número de voos

Aeroporto internacional John F. Kennedy International em Nova York
Aeroporto internacional John F. Kennedy International em Nova York 26/12/ 2021. REUTERS/Jeenah Moon

Greg WallacePete Munteando CNN Business

Ouvir notícia

Washington está suspendendo mais de três dúzias de voos de transportadoras chinesas nos próximos dois meses, a mais recente escalada em uma briga sobre as regras de viagem relacionadas à pandemia entre os Estados Unidos e a China.

Na sexta-feira (21), o Departamento de Transportes dos EUA disse que suspenderia 44 voos com destino à China operados por transportadoras chinesas dos Estados Unidos entre o final de janeiro e o final de março.

A ordem – que se aplica a voos operados pela Air China, China Eastern Airlines, China Southern Airlines e Xiamen Airlines – foi emitida “em resposta” às medidas das autoridades de aviação chinesas que forçaram as transportadoras dos EUA a cancelar o mesmo número de voos, de acordo com o Departamento de Transportes dos EUA.

Muitos voos dos Estados Unidos com destino à China foram cancelados nas últimas semanas por causa de uma regra chamada “circuit breaker” que a Administração de Aviação Civil da China aplicou a voos internacionais.

Essa regra, promulgada em junho passado, significa que um voo é automaticamente suspenso por duas semanas se cinco ou mais passageiros derem positivo para Covid-19 ao desembarcar na China. Se 10 ou mais passageiros testarem positivo, o período de suspensão aumenta.

A China defendeu seus regulamentos de “disjuntor” como “um passo importante para reduzir o risco de disseminação transfronteiriça da epidemia”.

Com a disseminação da variante Ômicron do coronavírus e o desejo de Pequim de controlar o risco de surtos antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, essas regras tornaram incrivelmente difícil voar dos Estados Unidos para a China.

No início deste mês, a pesquisa da CNN Business sobre anúncios do governo e horários de voos publicados mostrou que era praticamente impossível encontrar um voo dos Estados Unidos para a China por causa dos regulamentos de aviação chineses.

A regra do “circuit-breaker” afetou várias companhias aéreas dos EUA, incluindo American Airlines, Delta Air Lines e United Airlines.

Em seu pedido de sexta-feira, o Departamento de Transportes dos EUA argumentou que a política chinesa era injusta porque coloca “culpabilidade indevida” nas transportadoras, já que o “disjuntor” pode ser aplicado a passageiros que testaram negativo antes de embarcar no avião, mas depois testaram positivo para Covid-19 até sete dias após a chegada.

O governo chinês “autoriza individualmente todo e qualquer viajante em potencial para viajar para a China antes de sua partida dos Estados Unidos, depois de verificar os resultados dos testes antes da partida e outras documentações necessárias”, escreveu o departamento de transporte, acrescentando que as transportadoras dos EUA que seguem os regulamentos chineses “não deve ser penalizado se os passageiros, após a chegada, testarem positivo para Covid-19”.

O Ministério das Relações Exteriores da China chamou na segunda-feira (24) a decisão dos EUA de “um ato de grosseria e irresponsabilidade”.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, disse que as medidas de “disjuntor” do país são “justas, abertas e transparentes”, acrescentando que tratam igualmente as companhias aéreas chinesas e estrangeiras.

As medidas desempenharam um papel importante no bloqueio “efetivo” da disseminação transfronteiriça do vírus, disse ele em entrevista coletiva em Pequim.

A China isolou amplamente suas fronteiras em março de 2020 e continuou cumprindo sua rígida política de zero Covid. Os voos de e para a China – o segundo maior mercado de viagens aéreas do mundo depois dos Estados Unidos – foram drasticamente reduzidos, mesmo quando as viagens internacionais começaram a se recuperar em outras partes do globo.

No mês passado, um voo da Delta de Seattle para Xangai deu uma volta no ar devido a uma mudança nos procedimentos de limpeza no aeroporto chinês que “aumentou significativamente o tempo em terra e não é operacionalmente viável”, segundo a companhia aérea.

As autoridades chinesas contestaram a conta, instando a operadora a “proteger os direitos legítimos dos clientes”.

Os Jogos de Inverno de Pequim, enquanto isso, começam em 4 de fevereiro, e os participantes estão principalmente fazendo voos especiais restritos a pessoas com credenciais olímpicas como parte de uma bolha estrita que as autoridades estão implementando em torno do evento.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN