FGV: IPC-S acelera a 0,49% em julho ante alta de 0,36% no mês anterior

No acumulado do ano, indicador alcança alta de 1% e, nos últimos 12 meses, a alta é de 2,40%.

Clientes escolhem produtos em supermercado
Clientes escolhem produtos em supermercado Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) variou positivamente em 0,49%, informou nesta segunda-feira, 3, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador de julho mostra aceleração sobre o dado do mês anterior, (0,36%), mas é inferior ao da terceira quadrissemana de julho, quando houve alta de 0 53%.

Em 2020, o IPC-S acumula alta de 1,04% e, nos últimos 12 meses, a alta é de 2,40%. O indicador veio acima do intervalo das estimativas de especialistas, entre 0,44% e 0,48%, coletadas pelo Broadcast. A mediana era de 0,45%.

Das oito categorias que compõem o índice, quatro decresceram em relação ao indicador divulgado semana passada. São elas Vestuário (de -0,24% para -0,45%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,10 para -0,60%), Transportes (de 1,51% para 1,22%) e Comunicação (de 0,61% para 0,54%).

Leia também:

Inflação de 2020 deve ser a mais baixa em 22 anos – e por que isso não é bom
Inflação e auxílio emergencial: qual o sentido de uma nota de R$ 200?

As quatro categorias que apresentaram aceleração foram Habitação (de 0,53% para 0,79%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,39% para 0,58%), Alimentação (de 0,11% para 0,13%) e Despesas Diversas (de 0,21% para 0,22%).

Relatório da FGV destaca o movimento de desaceleração no item passagem aérea, que foi de 11,46% para 2,74%. Também merecem destaque pelo decréscimo os itens gasolina (de 4,59% para 3,67%) roupas (de -0,34% para -0,59%) e combo de telefonia, internet e TV por assinatura (de 1,22% para 1,10%).

Os destaques entre os itens que mostraram aceleração em seus preços são tarifa de eletricidade residencial (de 1,33% para 2 32%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de -0,21% para 0 55%), carnes suínas (de 1,09% para 1,93%) e conselho e associação de classe (de 0,52% para 0,75%).

Mais Recentes da CNN