Google lidera ranking de marcas mais influentes no Brasil; veja ranking

Gigantes de tecnologia dominam lista, que tem apenas duas empresas brasileiras entre as 10 primeiras

Google e outros grandes nomes da tecnologia são destaque na pesquisa
Google e outros grandes nomes da tecnologia são destaque na pesquisa Reuters

Pedro Zanattado CNN Brasil Business

Em São Paulo

Ouvir notícia

Um levantamento realizado pela Ipsos e divulgado nesta terça-feira (12), mostra que oito das dez empresas mais influentes no Brasil são do segmento de tecnologia. A lista é liderada pelo Google. Na segunda posição está a Samsung, seguida por YouTube (3º) e Netflix (4º).

O ranking segue com Lojas Americanas (5º), Amazon (6º), Facebook e Mastercard (7º), Natura e Nestlé (8º), Mercado Livre (9º) e Microsoft (10º). Quatro delas não estavam no ranking do ano passado: Netflix, Lojas Americanas, Amazon e Natura.

De acordo com a Ipsos, foram usados seis critérios para avaliar a influência das marcas, sendo eles: inovação, confiança, presença, responsabilidade social, engajamento on-line e o desempenho das marcas durante a pandemia por meio de uma dimensão Covid-19.

Mesmo com grande participação do setor de tecnologia, a pesquisa aponta para a presença dos segmentos de bens de consumo, com a própria Natura, ao lado da Nestlé, empatadas na oitava posição.

Outro ponto em destaque é a presença de dois nomes nacionais no ranking. A Lojas Americanas, considerada pelo estudo como um dos maiores destaques na dimensão de engajamento on-line, e Natura, marca mais associada à responsabilidade social, entre todas as analisadas na pesquisa.

Segundo Marcos Calliari, CEO da Ipsos no Brasil, a influência vai muito além da posição das marcas no mercado.

“Marcas influentes são aquelas que são vistas e ouvidas. Ser vista faz parte do caminho para criar influência, inspirar as pessoas e estimular o engajamento do seu consumidor. Estas marcas não vendem apenas serviços ou produtos, mas, também, formam opinião e estabelecem modelos de comportamento a serem seguidos”.

Mais Recentes da CNN