Guerra na Ucrânia atrapalha mundo a conter mudanças climáticas, dizem especialistas

Países que anteriormente viam o gás natural como um trampolim nos planos de transição energética agora estão considerando queimar carvão por mais tempo

Disfunção nas cadeias de suprimentos e na energia levará a custos ainda mais altos para consumidores, empresas, governos - e, em última análise, para o meio ambiente, dizem os especialistas
Disfunção nas cadeias de suprimentos e na energia levará a custos ainda mais altos para consumidores, empresas, governos - e, em última análise, para o meio ambiente, dizem os especialistas Foto: SD-Pictures/Pixabay

Alicia Wallacedo CNN Business

Ouvir notícia

A guerra na Ucrânia jogou a economia global no caos – e o pior ainda está por vir, dizem os especialistas.

O conflito interrompeu a logística, as operações comerciais e os oleodutos comerciais em todo o mundo: frete marítimo, terrestre e aéreo estão tomando rotas indiretas para evitar zonas de exclusão aérea e riscos de guerra; empresas multinacionais estão abandonando as operações por causa de sanções e pressões para romper laços; e os países estão lutando para atender às necessidades de energia de curto prazo – em alguns casos dobrando o carvão – em seus esforços para reduzir a dependência das exportações russas.

“Tudo está se encaixando”, disse Alla Valente, analista sênior da equipe de segurança e risco da Forrester Research. “Não é apenas o tempo de logística, não é apenas o custo do petróleo ou quanto petróleo está sendo usado, não é apenas esperar para receber nosso carregamento de chips semicondutores, não é apenas a escassez de mão de obra de transporte”, disse ela. “Não é nenhuma dessas coisas, são todas essas coisas.”

A disfunção nas cadeias de suprimentos e na energia levará a custos ainda mais altos para consumidores, empresas, governos – e, em última análise, para o meio ambiente, dizem os especialistas.

“A guerra é um negócio que consome muita energia”, disse Nikos Tsafos, especialista em energia e geopolítica do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “É preciso energia para mover as coisas, para mover tropas e equipamentos.”

Os preços globais do petróleo já atingiram seus níveis mais altos em quase uma década, elevando os custos de tudo, desde alimentos a fertilizantes.

“Os aumentos mais acentuados de preços de alimentos e combustíveis podem aumentar o risco de distúrbios em algumas regiões”, alertou o Fundo Monetário Internacional no mês passado. “A longo prazo, a guerra pode alterar fundamentalmente a ordem econômica e geopolítica global se o comércio de energia mudar, as cadeias de suprimentos se reconfigurarem, as redes de pagamento se fragmentarem e os países repensarem as reservas de moeda”.

Um recuo do petróleo e gás russo

Essas mudanças já estão acontecendo à medida que países ao redor do mundo buscam reduzir sua dependência do petróleo, gás e outras commodities russos.

Os EUA proibiram todas as importações russas de petróleo, gás natural e carvão, e o Reino Unido estabeleceu um plano para eliminar gradualmente as importações de petróleo russo até o final do ano e, eventualmente, acabar com as importações de gás natural.

A União Europeia, enquanto isso, disse que imporia uma quinta rodada de sanções à Rússia, incluindo uma proibição de importação de carvão russo, embora não tenha chegado a proibir o petróleo russo.

A Europa importa cerca de 40% de seu gás natural da Rússia e estabeleceu um plano para reduzir as importações russas de gás natural em 66% este ano.

“Devemos nos tornar independentes do petróleo, carvão e gás russos”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em comunicado no mês passado. “Simplesmente não podemos confiar em um fornecedor que nos ameace explicitamente.”

As ações da Rússia “terão enormes repercussões econômicas para o mundo”, disse a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, em depoimento anual ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara na quarta-feira.

Além de criar insegurança alimentar global e ônus da dívida, “estamos testemunhando a vulnerabilidade que vem de depender de uma fonte de combustível ou de um parceiro comercial, e é por isso que é imperativo diversificar fontes e fornecedores de energia”, disse ela.

Segurança energética x estratégia climática

No curto prazo, os países da UE são forçados a explorar uma variedade de meios para manter a energia fluindo e seus cidadãos aquecidos durante o inverno, disse Tsafos.
E isso muito bem poderia incluir o uso de mais carvão.

Os países que anteriormente viam o gás natural como um trampolim nos planos de transição energética agora estão considerando queimar carvão por mais tempo do que o planejado, disse Frans Timmermans, que está liderando os esforços do Green Deal da UE. No entanto, Timmermans alertou que tal movimento deve ser usado apenas como um paliativo e que uma rápida aceleração em direção à energia renovável deve seguir.

Para ajudar a preencher as lacunas, os EUA também transferiram algumas de suas exportações de gás natural liquefeito para a Europa, disse Tsafos. E a administração Biden teria ponderado isenções a uma recente proibição de financiamento de projetos de combustíveis fósseis no exterior, informou a Reuters.

“Acho que o objetivo geral dos europeus é fazer coisas que não prejudiquem sua estratégia climática, então eles gostariam de não usar mais carvão, a menos que precisem”, disse Tsafos, observando as metas da União Europeia de ser neutra em relação ao clima até 2050 e reduzindo as emissões de gases de efeito estufa em 55% até 2030.

“Mas até agora, o que sua estratégia se resume a tentar comprar qualquer gás que possam encontrar, e acho que o risco disso é que isso pode colocar muito estresse em mercado de gás.”

Deixando de lado os esforços de segurança energética de curto prazo, a crise atual provavelmente estimulará a Europa e outros países a acelerarem seus planos climáticos, abandonarem os combustíveis fósseis e investirem mais em tecnologias de energia renovável, disse Ryan Kellogg, professor da Escola Harris de Políticas Públicas da Universidade de Chicago. especialista em economia de energia, política ambiental e indústria

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN