Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Inflação do aluguel”: IGP-M sobe 0,59% em junho e acumula alta de 10,7% em 12 meses

    Índice usado para reajustar grande parte de contratos do setor acumulava alta de 35,75% em 12 meses há um ano

    Ligia Tuondo CNN Brasil Business

    São Paulo

    Ouvir notícia

    O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) variou 0,59% em junho, ante 0,52% no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV / Ibre), nesta quarta-feira (29).

    O índice é conhecido como “inflação do aluguel” por ser usado para reajustar grande parte de contratos do setor.

    Com o resultado, a alta no ano chega a 8,16% e, em 12 meses, a 10,70% em 12 meses. Em junho de 2021, o índice havia subido 0,60% e acumulava alta de 35,75% em 12 meses.

    Como destaque para o mês, o estudo destaca o comportamento do óleo diesel (de 3,29% para 6,96%), do leite in natura (de 7,47% para 4,40%) e dos automóveis (de 0,57% para 2,31%).

    Apesar dessas altas, a taxa em 12 meses do índice ao produtor seguiu em desaceleração, alcançando o seu menor patamar desde julho de 2020, quando acumulava alta de 9,27%, afirma André Braz, coordenador dos índices de preços.

    Vale ressaltar que o IGP-M é composto por três subíndices: o IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor – Mercado), o IPA-M (Índice de Preços ao Produtor Amplo – Mercado) e o INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado).

    Os três subíndices apresentaram alta no mês, mas só o de preços ao consumidor acelerou no período.

    IPA

    O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou alta de 0,30% em junho, ante 0,45% em maio.

    A principal contribuição para este resultado veio de alimentos in natura, cuja taxa passou de -3,96% para -0,84%.

    IPC

    O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,71% em junho, ante 0,35% em maio.

    A principal contribuição no mês veio do grupo Habitação (-2,57% para 0,65%). “Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -13,71% em maio para -0,34% em junho”, destacou a FGV.

    Vale destacar a desaceleração dos grupos Transportes (1,20% para 0,09%), Saúde e Cuidados Pessoais (1,00% para 0,64%), Educação, Leitura e Recreação (3,17% para 2,63%), Alimentação (0,87% para 0,74%), Despesas Diversas (0,62% para 0,33%) e Comunicação (-0,23% para -0,49%)

    INCC

    O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 2,81% em junho, ante 1,49% em maio.

    “Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de maio para junho: Materiais e Equipamentos (1,67% para 1,58%), Serviços (0,92% para 0,50%) e Mão de Obra (1,43% para 4,37%)”.

    Mais Recentes da CNN