Johnson & Johnson anuncia divisão e vai separar Band-Aid de vacinas da Covid

Uma das unidades se concentrará no consumidor final, a outra, em medicamentos controlados, como vacinas, e equipamentos médicos

Vacina seguirá debaixo da marca Johnson & Johnson
Vacina seguirá debaixo da marca Johnson & Johnson Divulgação

Jordan Valinskyda CNN

Ouvir notícia

A Johnson & Johnson, que nasceu no final do século 19, se dividirá em duas.

Uma das empresas que surgirá da divisão se concentrará em produtos de saúde de consumo que os clientes podem comprar sem receita, incluindo Benadryl, Band-Aid e Tylenol. A outra, venderá medicamentos controlados e dispositivos médicos, como a vacina contra a Covid-19. Ambas terão capital aberto.

Depois do anúncio, as ações da Johnson & Johnson dispararam mais de 4% na abertura de mercado na bolsa americana. O Wall Street Journal foi o responsável por divulgar a informação.

A separação visa criar “dois líderes globais que estão mais bem posicionados para oferecer melhores opções de saúde para pacientes e consumidores por meio da inovação”, disse a empresa em um comunicado.

A unidade de negócios farmacêuticos, que fabrica a vacina contra a Covid-19, manterá o nome Johnson & Johnson e continuará sendo uma das maiores fabricantes mundiais de medicamentos e produtos para a saúde.

Além de medicamentos, incluindo alguns voltados para tratamentos para câncer e doenças infecciosas, a Johnson & Johnson continuará fabricando equipamentos médicos.

A diretoria e o nome da nova divisão que fornecerá medicamentos de uso rotineiro ainda não foram anunciados. Esse braço do negócio tem faturamento de US$ 15 bilhões em vendas anuais e fabrica medicamentos como Motrin, Zyrtec, Nicorette e Sudafed.

O CEO da Johnson & Johnson, Alex Gorsky, disse que as mudanças são a “melhor maneira de acelerar nossos esforços para atender pacientes, consumidores e profissionais de saúde”, diz o executivo.

Gorsky, que anunciou em agosto a intenção de deixar o cargo de CEO, diz ainda que a divisão busca dar oportunidades para “impulsionar o crescimento dos lucros e – o mais importante – melhorar os resultados da saúde para pessoas de todo o mundo”.

O atual CEO da empresa, que também é o chairman do grupo, será substituído por Joaquin Duato no início do próximo ano. Gorsky, acumula os cargos desde 2012 e, a partir de 3 de janeiro, ficará apenas com o cargo de chairman, uma espécie de presidente de honra.

Talco não foi o motivo da separação

Gorsky disse ao Wall Street Journal que as ações judiciais em torno do talco de bebê não tiveram um papel na separação.

No ano passado, a empresa anunciou que parou de fabricar talco para bebês nos Estados Unidos e Canadá. O produto foi objeto de dezenas de milhares de ações judiciais movidas por mulheres que desenvolveram câncer de ovário após o uso regular de talco que custou bilhões de dólares à empresa.

A Johnson & Johnson tem suas raízes em uma empresa de produtos de saúde formada por Robert Wood Johnson e seus irmãos.

A empresa se junta à Toshiba e à General Electric, que também anunciaram que estão separando suas empresas para se concentrar em unidades de negócios mais lucrativas.

(Texto traduzido. Leia o original aqui.)

Mais Recentes da CNN