Líder na exportação de petróleo, Arábia Saudita promete zerar emissões até 2060

Príncipe herdeiro disse que país vai enfrentar as mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, garantir a estabilidade do mercado de petróleo

Mohammed bin Salman revelou as novas metas climáticas da Arábia Saudita
Mohammed bin Salman revelou as novas metas climáticas da Arábia Saudita Reuters

Reuters

Ouvir notícia

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, disse neste sábado (23) que o país, o maior exportador de petróleo do mundo, pretende atingir emissões líquidas zero até 2060 e mais que dobrará sua meta anual de redução das emissões de carbono.

Mohammed bin Salman e seu ministro da Energia disseram que a Arábia Saudita, membro da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), enfrentará as mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, garantirá a estabilidade do mercado de petróleo, enfatizando a importância contínua dos hidrocarbonetos.

Eles falaram na Saudi Green Initiative (SGI), que ocorre antes da COP 26, a conferência da ONU sobre mudança climática em Glasgow no final do mês, que espera chegar a um acordo sobre cortes mais profundos de emissões para combater o aquecimento global.

“O Reino da Arábia Saudita pretende atingir emissões líquidas zero até 2060 sob seu programa de economia circular de carbono … enquanto mantém o papel de liderança do reino no fortalecimento da segurança e estabilidade dos mercados globais de petróleo”, disse o príncipe em comentários gravados.

Ele afirmou que o reino se juntará a uma iniciativa global para reduzir as emissões de metano em 30% em relação aos níveis de 2020 até 2030, que tanto os Estados Unidos quanto a União Europeia têm pressionado para ocorrer.

O enviado climático dos EUA, John Kerry, deve participar de uma reunião de cúpula mais ampla sobre a questão ambiental no Oriente Médio que Riad realizará na segunda-feira (25).

O ministro saudita da Energia, Príncipe Abdulaziz bin Salman, disse que Riad, signatária do pacto climático de Paris, já havia apresentado suas contribuições nacionalmente determinadas (NDCs) – metas para Estados individuais envolvendo esforços globais para evitar que a temperatura média global vá além de 1,5 grau Celsius acima de níveis pré-industriais.

A SGI visa eliminar 278 milhões de toneladas de emissões de carbono por ano, disse o príncipe herdeiro, ante uma meta anterior de 130 milhões de toneladas.

A Arábia Saudita se comprometeu em março a reduzir as emissões de carbono em mais de 4% das contribuições globais.

Ele disse que isso envolveria a geração de 50% da energia a partir de fontes renováveis ​​até 2030 e o plantio de bilhões de árvores no país desértico.

Hidrocarbonetos ainda são necessários

A economia da Arábia Saudita continua fortemente dependente da receita do petróleo, enquanto a diversificação econômica atrasa as ambições estabelecidas pelo príncipe herdeiro.

Autoridades sauditas argumentaram que o mundo continuará a precisar do petróleo do país nas próximas décadas.

“O mundo não pode operar sem hidrocarbonetos, combustíveis fósseis, energias renováveis, nada disso será o salvador, tem que ser uma solução abrangente”, disse o ministro da Energia.

“Precisamos ser inclusivos e a inclusão requer estar aberto para aceitar os esforços dos outros, desde que eles reduzam as emissões”, disse ele, acrescentando que a geração jovem do reino “não vai esperar que mudemos seu futuro”.

Ele disse que a meta de emissões líquidas zero pode ser alcançada antes de 2060, mas o reino precisa de tempo para fazer as coisas “corretamente”.

Os Emirados Árabes Unidos, outro produtor da Opep no Golfo, anunciaram neste mês um plano para emissões líquidas zero até 2050.

O presidente-executivo da empresa petrolífera dos Emirados Árabes Unidos ADNOC, Sultan al-Jaber, também enfatizou a importância do investimento em hidrocarbonetos, dizendo que o mundo “caiu como um sonâmbulo” em uma crise de abastecimento e que a ação climática não deve se tornar um fardo econômico para os países em desenvolvimento.

A Arábia Saudita foi criticada por agir muito devagar, com o Climate Action Tracker dando-lhe a classificação mais baixa possível, de “criticamente insuficiente”.

E especialistas dizem que é muito cedo para dizer qual será o impacto dos nascentes projetos solares e eólicos da Arábia Saudita. Sua primeira usina de energia renovável foi inaugurada em abril, e seu primeiro parque eólico começou a gerar energia em agosto.

Megaprojetos, como a cidade futurística NEOM, também incorporam planos de energia verde, incluindo uma usina de hidrogênio de US$ 5 bilhões, e entidades ligadas ao Estado saudita estão se voltando para a arrecadação de fundos verdes.

Alguns investidores expressaram preocupação com a pegada de carbono do reino. Outros dizem que a Arábia Saudita emite a menor quantidade de carbono por barril de petróleo e que o governante de fato, o príncipe Mohammed, leva a sério a diversificação econômica.

“Obviamente, a pegada de carbono é um problema. No entanto, gostaríamos de destacar que, de forma realista, o carbono vai demorar para se extinguir e o petróleo ainda estará aqui por algum tempo”, disse Tim Ash, da BlueBay Asset Management, em comentários por e-mail.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler original)

Mais Recentes da CNN