Maior acordo entre fabricantes de chips da história desmorona

Mediada pelo Softbank, aquisição recorde da empresa de design britânica ARM pela fabricante americana Nvdia se tornou objeto de escrutínio regulatório global

Se acordo fosse firmado, empresas de tecnologia da China ficariam em grande desvantagem no mercado, disse tabloide chinês
Se acordo fosse firmado, empresas de tecnologia da China ficariam em grande desvantagem no mercado, disse tabloide chinês 06/01/2020REUTERS/Steve Marcus

Michelle Tohdo CNN Business*

em Hong Kong

Ouvir notícia

A venda recorde do SoftBank de um designer de chips premiado para a Nvidia foi oficialmente cancelada.

Com um valor inicial de US$ 40 bilhões, a aquisição da empresa de design britânica ARM pela fabricante de chips dos EUA teria sido o maior negócio de semicondutores já registrado. Mas reguladores de todo o mundo há muito levantam preocupações sobre o acordo, o que acabou levando ao seu colapso nesta terça-feira (8).

Em comunicado, o SoftBank citou “desafios regulatórios significativos” que impediram a conclusão do negócio. O banco japonês disse que, em vez disso, prepararia a ARM para uma oferta pública no ano fiscal que termina em março de 2023.

Sob os termos do acordo, o SoftBank já havia recebido um depósito de US$ 1,25 bilhão durante a assinatura. Esse pagamento não foi reembolsável e “será reconhecido como lucro” nos ganhos do conglomerado japonês no trimestre que se encerra em março deste ano, disse.

A ARM projeta chips usados ​​pela Apple e outros grandes fabricantes de smartphones. A empresa está sediada em Cambridge e é conhecida como uma das empresas de tecnologia de maior sucesso da Grã-Bretanha.

A transação foi anunciada pela primeira vez em 2020, quatro anos depois que o SoftBank comprou a ARM por US$ 32 bilhões, marcando a maior aquisição estrangeira por uma empresa japonesa na época.

Originalmente, esperava-se que fechasse dentro de 18 meses, o que teria acontecido agora. Mas perdeu força quando se tornou objeto de escrutínio regulatório global, inclusive da China e do Reino Unido.

Apenas alguns dias após o anúncio, um artigo de opinião no tabloide estatal chinês Global Times chamou a medida de “perturbadora”.

“Se a ARM cair nas mãos dos EUA, as empresas de tecnologia chinesas certamente seriam colocadas em grande desvantagem no mercado”, dizia o editorial.

Em dezembro, a Comissão Federal de Comércio dos EUA entrou com uma ação para bloquear o acordo, dizendo que sufocaria a concorrência e daria à empresa combinada muito controle sobre a tecnologia e os designs dos chips.

A Comissão Europeia também lançou uma investigação sobre o acordo no final do ano passado. Ele teria que passar por aprovações regulatórias do Reino Unido, União Europeia, Estados Unidos e China.

Se tivesse sido aprovado, teria sido o maior negócio de todos os tempos da indústria de semicondutores, superando a aquisição da Broadcom pela Avago em 2015, de acordo com a Dealogic.

Falando em uma apresentação de resultados na terça-feira, o CEO do SoftBank, Masayoshi Son, permaneceu otimista sobre os planos futuros para a ARM.

Embora reconhecesse que sua empresa estava agora se voltando para um “plano B”, ele disse que o SoftBank originalmente esperava tornar a ARM pública depois de adquiri-la anos atrás.

“Então este é o plano original novamente”, disse ele.

Ainda assim, o bilionário atacou aqueles que se opuseram ao acordo, argumentando que os críticos pareciam “ansiosos para bloquear” um acordo entre “dois negócios totalmente diferentes”.

Na história das reclamações antitruste, “este pode ser o primeiro caso” envolvendo reclamações sobre duas dessas “companhias diferentes”, disse ele, comparando a Nvidia e a ARM aos fabricantes de motores de automóveis e pneus.

“Por que eles têm que bloquear esta transação?”, ele perguntou.

A ARM também anunciou um novo líder nesta terça, dizendo que o CEO de longa data, Simon Segars, seria substituído pelo executivo Rene Haas.

Em um comunicado, Son agradeceu a Segars por seu mandato de 30 anos na empresa e disse que “Rene é o líder certo para acelerar o crescimento da ARM à medida que a empresa começa a se preparar para reentrar nos mercados públicos”.

— Rishi Iyengar contribuiu para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN