Ibovespa encerra mês em queda de quase 10%, pior desempenho em 2 anos

Nesta sexta-feira, principal índice da B3 terminou aos 107.876,16 pontos, enquanto a moeda norte-americana valorizou 0,07%, e encerrou o dia cotada a R$ 4,943

Da Reuters*

Ouvir notícia

O Ibovespa fechou o mês de abril com o pior resultado mensal desde março de 2020, quando perdeu 29,9% com a chegada da pandemia de Covid-19 no Brasil. O índice recuou 2,4% na semana, quarta baixa semanal seguida, e encerrou o mês em baixa de 9,7%, depois de série de quatro meses de alta.

O principal índice da bolsa brasileira encerrou em queda nesta sexta-feira (29) de 1,86%, aos 107.876,16 pontos – menor pontuação desde 18 de janeiro, quando bateu 106.668 pontos.

O principal índice da B3 começou o dia em alta, porém, cedeu após um recuo nos índices do mercado norte-americano. Vale, Petrobras e Bradesco foram as principais influências para que o Ibovespa não caísse mais. Suzano cedia na ponta oposta.

Já o dólar fechou em leve alta de 0,07%, cotado a R$ 4,943, acompanhando a retração da divisa norte-americana no exterior de seus maiores patamares em 20 anos, em sessão que tende a ser volátil devido à formação da taxa Ptax de fim de mês no mercado doméstico.

Na semana, a moeda norte-americana subiu 2,85%, maior alta de cinco dias consecutivos desde outubro de 2021. No mês, avançou 3,79%, maior alta mensal desde setembro de 2021. Porém, se considerado o ano, desvalorizou 11,30% entre janeiro e abril.

O Banco Central fez neste pregão leilão de até 15 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de junho de 2022.  Especialistas entrevistados pelo CNN Brasil Business apontam que o movimento do BC, que acontece desde 6 de abril, pode ajudar a dar liquidez na moeda.

O Ibovespa fechou em alta de 0,52% nesta quinta-feira (28), aos 109.919 pontos. Enquanto O dólar à vista, por sua vez, caiu 0,56%, a R$ 4,94.

Dólar

Jefferson Rugik, diretor-executivo da Correparti Corretora, também chamou a atenção nesta sexta-feira para o movimento de recuperação de moedas emergentes e ligadas às commodities – como peso mexicano, peso chileno e rand sul-africano -, que parecia dar amparo ao real.

Pela manhã, além do exterior, que ditava a baixa do dólar por aqui, a pressão de agentes com posições vendidas na moeda norte-americana em meio à “briga” da Ptax dava fôlego adicional ao real, afirmou Rugik.

A Ptax é uma taxa de câmbio calculada pelo Banco Central, que serve de referência para liquidação de derivativos. No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes às suas posições, o que pode levar a alguma volatilidade nos mercados.

Alguns investidores também apontaram um movimento de ajuste para baixo no preço do dólar desde quarta-feira, depois que a moeda saltou mais de 8% em apenas três dias, entre sexta e terça passadas. É natural, depois de oscilações expressivas na cotação do dólar, haver correções técnicas.

Mercado nos EUA

Wall Street registrou suas maiores perdas diárias desde 2020 nesta sexta-feira, sob impacto de uma queda livre nas ações da Amazon, após a empresa divulgar um relatório trimestral sombrio e conforme o maior aumento na inflação mensal nos Estados Unidos desde 2005 assustou investidores já preocupados com a alta da taxa de juros.

O índice S&P 500 fechou em queda de 3,63%, a 4.131,93 pontos. O Dow Jones caiu 2,77%, a 32.977,21 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite recuou 4,17%, a 12.334,64 pontos. O S&P 500 registrou seu maior declínio diário desde junho de 2020. A baixa do índice de tecnologia Nasdaq foi a maior desde setembro de 2020.

A Amazon.com Inc despencou 14,05%, baixa mais acentuada desde 2006. A ação, com forte presença nas carteiras de investidores, está perto de mínimas em dois anos.

Na quinta-feira, a gigante do comércio eletrônico divulgou dados e perspectivas trimestrais decepcionantes, sufocada por custos mais altos.

Todos os 11 setores do índice S&P 500 cederam, liderados por uma queda de 5,9% nas ações de consumo discricionário e perdas de 4,9% em papéis do setor imobiliário.

O Nasdaq recuou cerca de 13% em abril, pior desempenho mensal desde a crise financeira global em 2008.

O S&P 500 cai 13% no acumulado de 2022, seu pior declínio nos primeiros quatro meses de um ano desde 1932.

Na semana, o S&P 500 caiu 3,3%, o Nasdaq enfraqueceu 3,9% e o Dow Jones perdeu 2,5%. O Fed deve se reunir na próxima semana, com operadores apostando em um aumento de 50 pontos-base na taxa de juros para combater a inflação em alta.

Commodities 

No começo da sessão, o Ibovespa operou em alta por conta das commodities. Os contratos futuros de minério de ferro na China subiram pela quarta sessão consecutiva nesta sexta-feira, com alta de mais de 4%, impulsionados por expectativas de demanda já que Pequim prometeu intensificar medidas para estabilizar a economia.

Em reunião presidida pelo presidente Xi Jinping nesta sexta-feira, o Politburo, principal órgão de decisão do Partido Comunista, disse que a China adotará um pacote de políticas para ajudar as indústrias atingidas pela pandemia, intensificando a construção de infraestrutura e apoiando o desenvolvimento saudável do mercado imobiliário.

Os preços futuros de ingredientes para fabricação de aço e materiais de construção avançaram após a notícia, com o minério de ferro de referência na bolsa de commodities de Dalian subindo 4,2%, para 870 iuanes (US$ 132,05) a tonelada no fechamento.

Os futuros de carvão metalúrgico para entrega em setembro se recuperaram das perdas na sessão da manhã, avançando 0,9%, para 2.853 iuanes por tonelada. Os preços do coque de Dalian aumentaram 2,1%, para 3.625 iuanes por tonelada.

O vergalhão de aço na Bolsa de Futuros de Xangai, para entrega em outubro, fechou em alta de 1,6%, a 4.910 iuanes por tonelada. As bobinas laminadas a quente usadas no setor manufatureiro ganharam 1,5%, para 4.996 iuanes por tonelada.

Ao mesmo tempo, nesta sexta-feira, o petróleo WTI fechou a US$ 104,69, com queda de 0,64%. Enquanto o brent encerrou o dia a US$ 109,34, com alta de 1,63%.

*Com informações do CNN Brasil Business

 

 

 

Mais Recentes da CNN