Ministro do STF alerta sobre risco de judicialização de reajuste de policiais

Integrante do governo consultou um dos ministros, que respondeu que há risco de que aumento tenha de ser estendido a outras categorias; Bolsonaro já teria sido informado do alerta, diz a fonte

Mathias Broteroda CNN

Em Brasília

Ouvir notícia

Um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) teria demonstrado preocupação com o possível reajuste salarial somente para policiais, de acordo com o que apurou a CNN junto a um interlocutor do governo federal.

Segundo a fonte, o alerta aconteceu após consulta de um integrante do próprio governo.

O ministro do STF teria considerado que o eventual reajuste de salários em meio a uma crise não é conveniente e poderia gerar uma série de ações de categorias que podem não ser contempladas com o benefício, levando o STF a estender o aumento aos outros servidores.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) já foi informado sobre o alerta que veio da Suprema Corte, segundo a fonte.

Bolsonaro quer usar parte do orçamento para reajustar apenas salários de policiais. A promessa tem causado protestos de outras categorias que não serão beneficiadas, ou que sofreram cortes, como é o caso dos servidores da Receita Federal.

O impasse foi tema de uma reunião nesta quinta-feira (13), entre o ministro da economia Paulo Guedes e representantes do Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita).

Durante o encontro, o presidente do sindicato, Isac Falcão, entregou um ofício ao ministro da Economia com as reivindicações da Receita Federal.

O documento pede que o governo federal conceda os benefícios para “reverter os graves cortes de recursos na previsão orçamentária na LOA (Lei Orçamentária Anual) 2022”.

O presidente do Sindifisco considerou o encontro “decepcionante” e disse que a situação na Receita Federal está “longe de ser resolvida”.

De acordo com Falcão, o ministro Paulo Guedes entendeu as reivindicações como justas. Ainda segundo o presidente do Sindifisco, Guedes considerou que “não era o momento de atendê-las”

Mais Recentes da CNN