Apesar de clima político, Moody’s não vê deterioração institucional no Brasil

As manifestações do presidente da República, Jair Bolsonaro, geram ruído no momento pré-eleitoral sem mudar a percepção com relação ao risco de crédito do País

Segundo o executivo da Moody's, a percepção é de que as instituições do Brasil - e, em especial, o Poder Judiciário - são fortes.
Segundo o executivo da Moody's, a percepção é de que as instituições do Brasil - e, em especial, o Poder Judiciário - são fortes. Montagem/CNN Brasil

Thaís Barcellos, Cícero Cotrim e Guilherme Bianchini, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O diretor-geral da Moody’s no Brasil, Carlos Prates, afirmou que a agência de classificação de risco não considera que há deterioração institucional no País dentro da lógica de atribuição da nota do Brasil ou da capacidade de pagamento do governo. “A gente ainda não está num ponto em que pode dizer que essa deterioração está acontecendo”, disse, durante participação em painel no evento Finanças Mais

Segundo ele, as manifestações do presidente da República, Jair Bolsonaro, geram ruído no momento pré-eleitoral sem mudar a percepção com relação ao risco de crédito do País. Ele afirmou que a percepção é de que as instituições do Brasil – e, em especial, o Poder Judiciário – são fortes.

O executivo afirmou ainda que a agência não considera nenhuma probabilidade de que não haja eleições presidenciais no País em 2022. “Isso é um cenário muito extremo, acho que a gente estaria caminhando para um cenário no qual a nota (de crédito) nem faz mais sentido, seja qual for”, afirmou. “Definitivamente, isso é algo que poderia afetar a nota do Brasil, da América do Sul, dos emergentes de uma maneira geral, mas a gente não trabalha com esse cenário em nenhuma hipótese.”

No mesmo evento, o economista para o Brasil do Barclays, Roberto Secemski, disse ser difícil estimar o impacto da crise hídrica no Produto Interno Bruto (PIB), mas que uma redução entre 0,5% e 1,0% já seria suficiente para um “Pibinho” em 2022, com crescimento na casa de 1%. “Muito em função não só da restrição hídrica, mas da consequência sobre a confiança. O preço de energia afeta todos os setores, principalmente a indústria”, afirmou.

Outro participante , o economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato, pondera que há uma possibilidade de alta no PIB do próximo ano, associada a uma diminuição dos riscos fiscais internos.

 

Mais Recentes da CNN