Netflix é criticada por Wall Street, Disney pode ser a próxima

Diversidade de negócios pode ser a solução para o relatório de lucros do primeiro trimestre da Disney

Disney está saindo de um relatório de lucros em novembro que mostrou que seu crescimento de streaming desacelerou no quarto trimestre
Disney está saindo de um relatório de lucros em novembro que mostrou que seu crescimento de streaming desacelerou no quarto trimestre Foto: Shutterstock

Frank Pallottado CNN Business*

Ouvir notícia

Wall Street não foi gentil com a Netflix quando a gigante do streaming divulgou seus resultados de fim de ano no mês passado. A fraca orientação financeira fez com que suas ações caíssem. O Disney+ – o outro grande nome do streaming – está prestes a sofrer um impacto semelhante?

A Disney deve divulgar os lucros do primeiro trimestre na quarta-feira (9) e os olhos de Wall Street mais uma vez estarão no crescimento do Disney+ – a parte mais importante do império de mídia da empresa. E este trimestre será ainda mais observado do que o habitual.

A Disney está saindo de um relatório de lucros em novembro que mostrou que seu crescimento de streaming desacelerou no quarto trimestre. Isso fez com que as ações da empresa caíssem até 8,5% na manhã seguinte ao relatório.

Suas ações também caíram de um recorde de US$ 203 por ação em março passado para US$ 142 por ação na terça-feira (8).

Com certeza, Disney e Netflix são empresas muito diferentes, principalmente porque Os negócios da Disney são muito mais diversificados, estendendo-se a parques temáticos, redes a cabo, merchandising e filmes.

No entanto, a Disney fez sua aposta no streaming e, assim como o Disney +, o resto da Disney também.

Se o serviço se esforça para atrair assinantes, Wall Street não se importa com quantas pessoas compraram bonecas de pelúcia Baby Yoda ou ingressos para a Disney World.

O CEO da Disney, Bob Chapek, disse após os ganhos em novembro que a empresa continua administrando seus negócios direto ao consumidor, que inclui Hulu e ESPN +, para o “longo prazo”.

Ele também observou que a empresa está “confiante de que nosso entretenimento de alta qualidade e expansão em mercados adicionais em todo o mundo nos permitirá aumentar ainda mais nossas plataformas de streaming globalmente”.

A contagem de assinantes do Disney+ esfriou consideravelmente desde que disparou para 100 milhões de assinantes no ano passado.

Em seu quarto trimestre de 2021, por exemplo, o Disney+ registrou apenas dois milhões de novos assinantes, uma queda acentuada em relação aos 12 milhões adicionados no terceiro trimestre.

A Disney também terá que lidar com a possibilidade de decepcionar o mercado, como a Netflix fez no mês passado com seus próprios relatórios de lucros medíocres.

As ações da Netflix caíram até 20% quando anunciou que tinha 221,8 milhões de assinantes globais, mas previu um crescimento de apenas 2,5 milhões para o próximo trimestre.

No entanto, há motivos para ser otimista sobre a Disney.

O serviço está cheio de conteúdo popular nos últimos meses. Havia “Hawkeye”, a nova série da Marvel sobre o arqueiro vingador, e “The Beatles: Get Back”, um documentário de oito horas sobre a gravação do último álbum da banda de Peter Jackson.

Filmes de sucesso como “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” e “Cruzeiro na Selva” também foram adicionados ao serviço. Mais tarde no trimestre, também foram o musical animado “Encanto” e “The Book of Boba Fett”, uma nova série da franquia Star Wars.

Jessica Reif Ehrlich, analista do Bank of America, espera que o Disney+ informe que adicionou sete milhões de assinantes neste trimestre por causa desse tipo de conteúdo.

No entanto, Ehrlich observa que o serviço pode ter que continuar expandindo suas ofertas para atrair ainda mais assinantes.

“Com o sucesso de ‘The Beatles: Get Back’, não ficaríamos surpresos se [a Disney] diversificasse sua produção de conteúdo além de suas marcas tradicionais (por exemplo, Marvel, Star Wars, Pixar e Disney) para ampliar o alcance e o apelo do serviço”. ela escreveu em dezembro.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN