Netflix eleva preços em principais mercados e deixa investidores desconfiados

A empresa aumentou os custos dos assinantes dos Estados Unidos e do Canadá na última sexta-feira

Logo da Netflix (14/10/2014)
Logo da Netflix (14/10/2014) Mike Blake/File Photo/Reuters

Frank Pallottado CNN Business

Ouvir notícia

A Netflix divulga os ganhos do quarto trimestre na quinta-feira e todos os olhos estarão voltados para o crescimento de assinantes do canal de streaming. Desta vez, porém, há algo novo para os investidores e analistas do setor questionarem: a Netflix está aumentando seus preços.

A empresa aumentou os custos dos assinantes dos Estados Unidos e do Canadá na última sexta-feira, um movimento que elevou o preço das ações e as sobrancelhas em todo o mundo do streaming, bem como provocou a pergunta “por quê?”

“Eles claramente acreditam que ainda têm o poder de precificação para fazer isso e que oferecem um valor excepcional pelo dinheiro”, disse Andrew Hare, vice-presidente sênior de pesquisa da empresa de consultoria de mídia Magid, à CNN Business.

Hare acredita que a Netflix vê que os mercados dos EUA e Canadá estão amadurecendo e está tentando compensar seu crescimento com sua receita média por usuário.

“Há pressão para impulsionar o crescimento geral, gerar fluxo de caixa positivo, ao mesmo tempo em que acompanha o aumento dos custos dos produtos e da concorrência”, disse ele. “Aumentar os preços é apenas uma alavanca que eles podem continuar a puxar agora, embora eu não tenha certeza por quanto tempo mais.”

A empresa de mídia anunciou na sexta-feira que está aumentando o preço mensal de uma assinatura nos EUA de seu plano padrão em US$ 1,50, para US$ 15,49, e seu plano básico em US$ 1,00 para US$ 9,99. O plano premium aumentou US$ 2 por mês, para US$ 19,99.

No Canadá, o plano padrão da Netflix também subiu de 1,50 dólares canadenses para 16,49 dólares canadenses e o plano premium subiu de 2 dólares canadenses para 20,99 dólares canadenses. Seu plano básico permaneceu inalterado.

Os investidores de Wall Street ficaram felizes com a notícia, fazendo as ações da Netflix subirem cerca de 2% na sexta-feira.

Um dólar aqui e um dólar ali pode não parecer muito, mas importa tanto para a Netflix quanto para os consumidores.
Mark Zgutowicz, analista sênior da Rosenblatt Securities, disse que a Netflix gasta muito dinheiro em conteúdo em todo o mundo, que não tem sido suportado por dois de seus maiores mercados, EUA e Canadá, onde o crescimento de assinantes “diminuiu nos últimos vários trimestres.”

“Estimamos que a Netflix gastará US$ 17 bilhões este ano globalmente e isso representará uma redução de US$ 12 bilhões em 2020, que por acaso foi um ano de queda por causa do Covid”, disse ele.

Quanto aos consumidores, os aumentos de preços – até US$ 1,50 – podem ser demais, considerando o influxo de serviços nos últimos anos, da Disney + ao Peacock e ao HBO Max (que é de propriedade da empresa controladora da CNN, WarnerMedia).

O streaming está consumindo as carteiras dos consumidores, então um aumento de preço para qualquer serviço – sem falar no rei do streaming – é notável. O mercado de streaming pode ver nesse aumento de preço uma pista para os rivais da empresa também aumentarem seus próprios preços em algum momento.

“Acho que esse seria o caso para Disney+, não tenho certeza para outros como Peacock ou Paramount+, porque eles não têm a amplitude de conteúdo como Netflix e Disney (DIS)”, disse Zgutowicz. “Isso dá ao HBO Max algum espaço para aumentar os preços também.”

Se a Netflix continuar trazendo números modestos de usuários, Hare acredita que a empresa precisará se concentrar em outras maneiras de deixar seus investidores felizes.

“O crescimento de assinantes nos EUA e Canadá tem sido uma história difícil de contar”, disse Hare. “É por isso que eles precisam falar sobre a história de crescimento global [de assinaturas], fluxo de caixa positivo, novos conteúdos, novas oportunidades de crescimento como jogos e potencialmente novos modelos de negócios e mercados”.

Claro, a Netflix ainda é Netflix e continua a ser muito popular com seus 213,5 milhões de usuários em todo o mundo.
“No curto prazo, a Netflix continua a ser o principal serviço de streaming tanto em casa quanto no exterior”, disse Hare.

Os desafios estão à frente para a Netflix no crescimento de assinantes, custos de produção e evolução dos hábitos de consumo, disse Hare.

“Eles reinventaram a indústria do entretenimento na última década.” ele adicionou. “Agora começa uma nova era de desafios e oportunidades.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Tópicos

Mais Recentes da CNN