Peloton substitui CEO e corta 2.800 empregos para lutar contra crise

Com John Foley, ex-diretor do Spotify e da Netlix, empresa de fitness americana visa se recuperar do tombo acionário de mais de 80% em relação à janeiro de 2021

Ações ficaram sob pressão renovada nas últimas semanas após um relatório de que a empresa havia parado de fabricar novas bicicletas e esteiras.
Ações ficaram sob pressão renovada nas últimas semanas após um relatório de que a empresa havia parado de fabricar novas bicicletas e esteiras. Unsplash

Jordan Valinskydo CNN Business*

em Nova York

Ouvir notícia

A Peloton está substituindo o CEO John Foley e cortando cerca de 20% de sua força de trabalho para ajudar a revigorar a empresa de fitness.

Barry McCarthy, ex-diretor financeiro do Spotify e Netflix, se tornará seu CEO e presidente a partir desta quarta-feira (9). Foley escreveu em uma nota pública que a nomeação é a “culminância de um plano de sucessão de meses” no qual ele está trabalhando com o conselho.

A Peloton também anunciou que demitirá cerca de 2.800 funcionários, incluindo cerca de 20% de seus cargos corporativos. Esse foi um movimento que Foley sugeriu algumas semanas atrás.

A empresa também está reduzindo o número de armazéns que possui e opera e expandindo os contratos de entrega com fornecedores terceirizados, o que ajudará a empresa a economizar US$ 800 milhões em custos anuais.

“Este programa de reestruturação é o resultado de um planejamento diligente para abordar as principais áreas do negócio e realinhar nossas operações para que possamos executar nossa oportunidade de crescimento com eficiência e disciplina”, disse a empresa em um comunicado à imprensa.

As demissões começaram na última terça-feira e os funcionários afetados receberão uma assinatura digital de 1 ano do Peloton como parte de sua rescisão.

A Peloton também observou que está “restringindo o desenvolvimento” de sua primeira fábrica nos EUA em Ohio, anunciada em maio de 2021, ajudando a economizar US$ 60 milhões.

Ele observou que os instrutores e o conteúdo “não serão afetados pelas iniciativas anunciadas”.

“Adoro a Peloton”, disse Foley na teleconferência de resultados, mas admitiu que a empresa cometeu “erros”, incluindo escalar suas operações “muito rapidamente” e investir demais em algumas áreas do negócio. “Nós somos donos disso. Eu assumo isso e estamos nos responsabilizando”, disse ele.

O conselho de administração da Peloton também está passando por uma reformulação, incluindo a adição de dois novos diretores: Angel Mendez, ex-executivo da Cisco, e Jonathan Mildenhall, ex-diretor de marketing do Airbnb. Erik Blachford, que atua como diretor desde 2015, está deixando seu cargo no conselho.

Essas mudanças indicam que a Peloton quer permanecer independente, em vez de se vender a um pretendente – pelo menos por enquanto. As ações subiram 20% na segunda-feira após relatos de que Amazon e Nike estavam explorando ofertas pela empresa e Wall Street comenta que a Apple também pode ser uma potencial pretendente.

As ações da Peloton caíram mais de 80% em relação à alta de janeiro de 2021. Elas ficaram sob pressão renovada nas últimas semanas após um relatório de que a empresa havia parado de fabricar novas bicicletas e esteiras.

A Blackwells Capital, uma investidora ativista que possui menos de 5% da Peloton, disse recentemente que tem “graves preocupações” com o desempenho da Peloton e está pedindo ao conselho de administração que demita Foley e explore uma venda.

Em um comunicado na terça-feira, Blackwells disse que as mudanças não vão longe o suficiente, argumentando que Foley “provou que não é adequado para liderar a Peloton, seja como CEO ou presidente executivo, e ele não deve escolher diretores a dedo como parece ter feito nesta terça.”

A Blackwells disse que continuará pressionando por um “processo de alternativas estratégicas para maximizar o valor em benefício de todos os acionistas”.

Em nota aos investidores na terça-feira, Neil Saunders, diretor administrativo da GlobalData, disse que a Peloton é “agora um negócio em modo de crise”. As mudanças são as “últimas de uma longa série de manobras à medida que se esforça para colocar o negócio de volta nos trilhos”.

“Peloton gastou grandes quantias de dinheiro em lojas, fábricas, armazéns e outras instalações para atender a demanda que agora é improvável de se materializar. O primeiro passo do novo CEO, Barry McCarthy, deve ser cortar custos para dimensionar o negócio corretamente, ” disse Saunders, acrescentando que uma venda “colocaria a Peloton em uma base muito mais segura”.

A Peloton divulgou seus ganhos na terça-feira, reduzindo sua receita fiscal de 2022 para US$ 3,7 bilhões a US$ 3,8 bilhões – uma queda acentuada em relação à faixa anteriormente prevista de US$ 4,4 bilhões a US$ 4,8 bilhões. As ações subiram cerca de 30% no pregão do meio-dia de terça-feira.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN