‘Privacidade e proteção de dados hoje são sinônimo de liberdade’, diz especialista

À CNN, Ricardo Cavallini defende PEC aprovada pelo Senado que inclui proteção de dados pessoais como direito fundamental do cidadão

Senado aprovou PEC para incluir proteção de dados pessoais entre direitos e garantias fundamentais
Senado aprovou PEC para incluir proteção de dados pessoais entre direitos e garantias fundamentais Jefferson Rudy - 20.out.2021/Agência Senado

Amanda GarciaBel Camposda CNN

Ouvir notícia

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que inclui a proteção de dados pessoais como direito fundamental do cidadão, aprovada pelo Senado nesta semana, é extremamente relevante para os dias de hoje, de acordo com o professor da Singularity University e especialista em digital, Ricardo Cavallini.

Em entrevista à CNN, ele afirmou que o conceito de privacidade mudou muito. “No mundo conectado, tudo é gravado, ninguém mais será anônimo, não tem mais escolha, a cada milissegundo tem alguém capturando dados sobre a gente, com quem fala, onde está, por onde passa”, explicou.

“Por isso saber quem está capturando os dados, com qual propósito, passa a ser tão importante para ter o controle da informação, por isso é tão relevante a PEC”, afirmou.

Cavallini afirma que o conceito de privacidade vai além da proteção contra golpes na internet.

“O produto pode ficar mais caro porque a empresa sabe informações para você, por exemplo. Ou deixar de vender, como no caso de convênio médico, o que é mais grave.”

“Privacidade e proteção de dados hoje são sinônimo de liberdade e, por isso, faz todo sentido se tornar clausula pétrea”, completou.

O conceito de dados pessoais, para Cavallini, está cada vez mais amplo, e vai muito além de nome, sobrenome e CPF. Justamente por isso, eles ganham muito mais valor.

“As maiores empresas do mundo, as bigtechs, como Google, Facebook, Amazon e Apple, boa parte utiliza esses dados para ganhar dinheiro, a maior parte do lucro vem de propaganda, que acontece em cima dos nossos dados, do que consumimos, qual o perfil, e como consumimos, para que seja uma propaganda direcionada e precisa”, disse.

Mais Recentes da CNN