Rússia perdeu 79 aviões devido a sanções

Sanções de vários países exigem que as empresas internacionais de leasing de aeronaves proprietárias dos jatos os recuperem até o final de março

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, as transportadoras aéreas russas operavam 861 aviões comerciais, tanto jatos de passageiros quanto de carga
Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, as transportadoras aéreas russas operavam 861 aviões comerciais, tanto jatos de passageiros quanto de carga 11/12/2020REUTERS/Toby Melville

Chris Isidoredo CNN Business

Ouvir notícia

As sanções implementadas em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia fizeram com que as transportadoras aéreas do país perdessem 79 de seus jatos comerciais, quase 10% de suas frotas combinadas.

As sanções de vários países exigem que as empresas internacionais de leasing de aeronaves proprietárias dos jatos os recuperem até o final de março.

Todos os jatos recuperados estavam fora da Rússia na época, e as empresas de leasing os recuperaram ou iniciaram o processo judicial, de acordo com a Cirium, uma empresa de análise de aviação que rastreia informações sobre aeronaves em todo o mundo.

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, as transportadoras aéreas russas operavam 861 aviões comerciais, tanto jatos de passageiros quanto de carga, disse Cirium.

Pouco mais da metade desses aviões, com um valor de mercado estimado de US$ 9,2 bilhões, pertencia a empresas de leasing não russas.

A indústria de aviação russa depende de aeronaves construídas no Ocidente por empresas como Boeing e Airbus, mas os aviões são de propriedade principalmente de empresas de leasing dos EUA e da Europa.

Os Estados Unidos e a maior parte da Europa fecharam o espaço aéreo para a Rússia quase imediatamente após a invasão, e a maioria dos jatos em questão permaneceu na Rússia ou voou rapidamente de volta para lá.

O Kremlin anunciou no mês passado que estava nacionalizando todos os aviões que as empresas de leasing estavam tentando recuperar e tomou títulos de quase 500 aviões que estavam na Rússia.

A maioria das grandes empresas de leasing, incluindo Air Lease Corp., Aviation Capital Group, Avolon e SMBC Aviation Capital, não quis comentar sobre os aviões que eles recuperaram ou as ações da Rússia para nacionalizar os aviões ainda na Rússia.

Mesmo algumas empresas de leasing em países que não impuseram sanções à Rússia, como China e Emirados Árabes Unidos, estão se mobilizando para recuperar o máximo de jatos que puderem.

Isso porque os aviões que permanecem sob controle russo se tornaram essencialmente inúteis devido a outras sanções impostas pela Europa e pelos Estados Unidos, disse Richard Aboulafia, diretor administrativo da AeroDynamic Advisory.

Essas sanções exigem que os fabricantes de aeronaves Boeing e Airbus, bem como fabricantes de motores como a General Electric, parem de fornecer às transportadoras aéreas russas peças de reposição e suporte de serviço.

A Rússia indicou que atenderá esses aviões internamente, mas a falta de peças e serviços autorizados significa que outros países se recusarão a reconhecer a certificação de aeronavegabilidade que esses aviões precisam para voar fora da Rússia.

Ele disse que faz sentido que as empresas de leasing chinesas e árabes queiram reaver seus aviões russos se puderem, mesmo que nenhuma sanção obrigue a fazê-lo.

Também é provável que muitos dos jatos sejam canibalizados por peças para manter alguns aviões no ar, de acordo com Aboulafia, uma medida que transformaria a indústria de aviação russa na “maior loja de desmanche do mundo”.

As empresas de leasing chinesas e árabes também querem manter boas relações com os fabricantes de aeronaves para que não tenham problemas em comprar aviões para seus clientes fora da Rússia.

Um jato de carga russo de propriedade da BOC Aviation, com sede em Cingapura, uma unidade do Banco da China, foi levado de Hong Kong e recuperado assim que pousou na Califórnia, de acordo com um relatório da Reuters.

Embora as empresas chinesas não queiram confrontar diretamente a Rússia, disse Aboulafia, elas procuram permanecer nas boas graças da indústria global de aviação.

“A China está claramente se movendo para apoiar seus amigos russos [não impondo suas próprias sanções], mas a amizade só vai até certo ponto”, disse ele. “Isso é negócio.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN