Samsung permitirá que usuários do Galaxy nos EUA reparem seus próprios aparelhos

Novo programa estará disponível para família de produtos Galaxy S20 e S21 e do Galaxy Tab S7 +, mas não para proprietários de sua linha S22

Foto: Divulgação

Samantha Murphy Kellydo CNN Business*

Ouvir notícia

A Samsung é a mais recente empresa de tecnologia que oferece aos clientes a capacidade de reparar seus próprios dispositivos móveis em meio à pressão de consumidores, reguladores e até do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para aliviar as restrições de conserto de produtos.

A empresa anunciou na quinta-feira (31) um novo programa que permitirá aos usuários de alguns de seus principais dispositivos Galaxy repararem seus próprios produtos, dando a eles e a empresas de reparo de terceiros acesso a peças genuínas, ferramentas de reparo e guias visuais de reparo passo a passo para a primeira vez. Anteriormente, os usuários da Samsung precisavam contar com o serviço de reparo interno da empresa para consertar dispositivos.

O novo programa estará disponível a partir deste verão (no hemisfério Norte) para usuários da família de produtos Galaxy S20 e S21 e do Galaxy Tab S7 +, mas não para proprietários de sua linha S22.

A empresa disse que está colaborando com a iFixit, uma comunidade de reparos online que trabalhou com a Motorola em um programa de auto-reparo semelhante.

Em novembro, a Apple anunciou um programa, chamado Self Repair Service, que disponibilizará peças sobressalentes para produtos Apple, como telas, baterias e módulos de câmera, para compra e dará a qualquer pessoa acesso a manuais de reparo.

O programa, que ainda não foi lançado oficialmente, será limitado aos usuários do iPhone 12 e iPhone 13 para começar. A Apple disse anteriormente que o serviço será posteriormente expandido para computadores Mac que usam o novo chip M1 interno da Apple.

Empresas como Samsung e Apple foram criticadas por usar táticas que dificultam o acesso de empresas independentes de reparos a dispositivos, como usar memórias ou baterias não removíveis ou selar dispositivos com cola especial.

As empresas argumentam que isso é feito para garantir que os produtos sejam reparados adequadamente por meio de serviços de reparo autorizados.

Kyle Wiens, CEO da iFixit, disse ao CNN Business que o mais recente anúncio da Samsung é “parte de uma mudança radical em que os fabricantes estão se movendo para apoiar seu direito de reparar”.

“Prolongar a vida útil dos eletrônicos é essencial para o futuro do planeta, e fornecer aos consumidores opções de auto-reparo é um passo essencial para que isso aconteça”, acrescentou.

No verão passado, o presidente Biden pediu à Federal Trade Commission que estabeleça regras que impeçam os fabricantes de impor restrições a oficinas independentes de reparo de dispositivos e reparos de bricolage, um princípio conhecido como “direito ao reparo”.

Uma semana depois, a FTC prometeu “eliminar” as restrições ilegais de reparo em vários produtos, incluindo telefones. Esse impulso também ganhou força entre os reguladores na Europa.

Novos regulamentos podem proibir essa prática e exigir que todos os fabricantes de smartphones disponibilizem peças, ferramentas, manuais de reparo e diagnósticos para reparos fora da garantia para empresas terceirizadas.

“Em muitos casos, o preço para consertar um smartphone ou computador é próximo, se não mais, de substituí-los todos juntos – uma estratégia que incentiva as pessoas a comprar novos dispositivos em vez de consertá-los”, Pedro Pacheco, diretor sênior de mercado empresa de pesquisa Gartner, disse ao CNN Business na época.

Os consumidores podem se beneficiar da mudança de outras maneiras. Como dar aos clientes mais controle sobre como seus dispositivos são consertados provavelmente pode prolongar a vida útil dos produtos, as empresas precisarão “atrair os consumidores a trocar ou atualizar smartphones com melhores especificações e outras abordagens”, acrescentou Pacheco. “Eles precisarão reorientar seus esforços.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN