Sem novo auxílio, renda de trabalhadores informais pode cair até 37%, diz FGV

Pressionado pelo Congresso, o governo voltou a debater o tema, com anuência até do ministro da Economia, Paulo Guedes

Auxílio emergencial
Auxílio emergencial Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Por José de Castro, da Reuters

Ouvir notícia

A renda dos trabalhadores informais classificados como “invisíveis” pode cair até 37% na ausência de um novo auxílio emergencial, mostrou estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (23) e mesmo com a concessão do benefício a renda ainda poderia ficar praticamente inalterada para esse grupo.

A análise –de autoria de Lauro Gonzalez e Leonardo Oliveira– simulou condições diversas para o auxílio com diferenças em valores, público-alvo, gênero, nível de gravidade da pandemia e região do Brasil. A comparação foi feita com patamares de renda usual pré-pandemia.

Segundo a FGV, trabalhadores invisíveis são aqueles contemplados com o auxílio emergencial e que usualmente não recebem o Bolsa Família ou o benefício de prestação continuada. Já os trabalhadores informais correspondem aos que afirmaram trabalhar sem carteira assinada, a trabalhadores autônomos e a familiares auxiliares.

Com um auxílio no valor de R$ 200 no cenário pessimista –de maior perda de renda decorrente da pandemia–, os invisíveis teriam alta na renda de 5% (homens) a 11% (mulheres). No caso dos invisíveis informais, as variações seriam de -2% e +2%, respectivamente.

Sem o benefício, as quedas ficariam entre 28% (mulheres dentro da categoria invisíveis) e 37% (mulheres no grupo invisíveis informais). Para os homens, as perdas seriam de 23% e 30%, respectivamente.

Na outra ponta das simulações do estudo –cenário otimista da pandemia e com valor do auxílio de R$ 250 –, o aumento de renda seria de 18%-23% (homens e mulheres invisíveis, respectivamente) a 17%-25% (homens e mulheres invisíveis informais, respectivamente).

“Todos os estados e o DF apresentariam ganhos, especialmente aqueles das regiões Norte e Nordeste do país”, disseram Lauro Gonzalez e Leonardo Oliveira em referência a ganho de renda para invisíveis informais no melhor dos cenários simulados.

“Cumpre salientar que a existência de um grande contingente de trabalhadores na informalidade decorre de mudanças no mundo do trabalho que precedem a pandemia. Daí a necessidade de aprimorar as políticas de transferência de renda em caráter permanente”, completaram.

Nos meses em que vigorou no ano passado, os valores mensais pagos no auxílio foram de R$ 600 ou R$ 1.200, caindo posteriormente à faixa entre R$ 300 e R$ 600.

Pressionado pelo Congresso, o governo voltou a debater o tema, com anuência até do ministro da Economia, Paulo Guedes –embora com contrapartidas.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta terça-feira (23) que a Casa cumprirá seu papel ao aprovar o chamado protocolo fiscal e que, nesse contexto, irá negociar com o Ministério da Economia o pagamento do auxílio emergencial o mais rápido possível.

Mais Recentes da CNN