Streaming impulsiona vendas de música em 2021 para recorde de US$ 26 bilhões

Único canal que apresentou queda foi o de downloads e outros formatos digitais

Podcast, áudio, música, rádio, celular, fone
Podcast, áudio, música, rádio, celular, fone Getty Images

Marie-Louise Gumuchianda Reuters

Ouvir notícia

As receitas globais de músicas gravadas subiram 18,5% no ano passado, impulsionadas por um aumento no número de usuários de serviços pagos de streaming, marcando o sétimo ano consecutivo de crescimento do mercado.

As vendas do setor somaram um recorde de US$ 25,9 bilhões, de acordo com um relatório divulgado nesta terça-feira (22).

Enquanto isso, uma recuperação no varejo após a retirada de medidas de isolamento social permitiu que os formatos de música em mídia física crescessem pela primeira vez em 20 anos, disse a IFPI, que representa a indústria fonográfica, no balanço Global Music Report.

As receitas de streaming aumentaram 21,9%, para US$ 12,3 bilhões, disse a IFPI, acrescentando que registrou 523 milhões de usuários de serviços pagos de transmissão de música em 2021. O streaming geral representou 65% da receita total.

As receitas de formato físico aumentaram 16,1%, para US$ 5 bilhões.

O streaming total, que inclui o streaming suportado por publicidade, aumentou 24,3%. As receitas de direitos de execução e sincronização, uso de música gravada em anúncios, filmes, televisão e jogos, também tiveram crescimento.

O único canal que apresentou queda foi o de downloads e outros formatos digitais, com queda de 10,7% nas receitas.

As receitas de música gravada cresceram em todas as regiões, com a taxa mais forte, de 35%, registrada no Oriente Médio e Norte da África. A América Latina aparece em segundo lugar, com expansão de 31,2%; Estados Unidos e Canadá registraram crescimentos de 22% e Ásia teve expansão de 16,1%. As receitas na Europa aumentaram 15,4%.

Mais Recentes da CNN