Twitter: Confira publicações de Elon Musk sobre sua recente aquisição

De “Eu amo o Twitter” a “O Twitter está morrendo?", o bilionário é um usuário ativo da rede social

Elon Musk e Twitter
Elon Musk e Twitter SOPA Images/LightRocket via Gett

Sarah-Grace MankariousMarco ChacónClare DuffyCatherine Thorbeckeda CNN

Ouvir notícia

Há anos, Elon Musk usa o Twitter para compartilhar publicamente suas opiniões sobre a plataforma de mídia social que agora fechou um acordo para comprar.

Após algumas semanas turbulentas marcadas por uma discussão muito pública entre Musk e o Twitter, a empresa disse na segunda-feira (25) que concordou em vender sua propriedade para o homem mais rico do mundo em um acordo de aproximadamente US$ 44 bilhões que a tornará privada.

O acordo, que deve ser fechado este ano, coloca um novo foco nas visões em constante evolução e às vezes erráticas do bilionário em relação ao Twitter ao longo dos anos, muitas das quais ele compartilhou no próprio Twitter.

O bilionário twittou especificamente sobre o Twitter dezenas de vezes na última década, revelando um relacionamento indutor de vertigem marcado por postagens que variam de “Eu amo o Twitter” a “O Twitter está morrendo?”.

Em seus quase 13 anos na plataforma, o Twitter se tornou uma parte importante da marca pessoal de Musk. É um lugar onde ele se comunica com seus mais de 80 milhões de seguidores sobre seus empreendimentos comerciais, ataca pessoas que ele vê como detratores, faz comentários sobre criptomoedas e, ocasionalmente, compartilha memes.

Para colocar a relação entre Musk e o Twitter em suas próprias palavras, ele brincou em um tweet de 2019 : “Algumas pessoas usam o cabelo para se expressar, eu uso o Twitter”.

O impulso de Musk para comprar o Twitter veio notavelmente depois que ele recusou um assento no conselho da empresa, um movimento que alguns especialistas em governança corporativa especularam pode ter sido porque esse papel viria com a expectativa de que Musk pare de twittar críticas sobre a empresa.

Tentar fazer Musk parar de twittar sobre empresas, no entanto, é quase um prólogo de como ele acabou tentando comprar o Twitter.

Os tweets de Musk sobre Tesla o colocaram em apuros, várias vezes, com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC).

Sua rivalidade de anos com a SEC remonta ao seu agora infame tweet de 2018, afirmando: “Estou pensando em tornar a Tesla privada por US$ 420. Financiamento garantido.”

O tweet de nove palavras fez com que as ações da Tesla subissem na época, mas a SEC o acusou de enganar os investidores.

Musk e os reguladores finalmente chegaram a um acordo que incluía, entre outras disposições, uma exigência de que Musk obtivesse pré-aprovação de outros executivos da Tesla antes de tuitar sobre a empresa. Aparentemente desde então, Musk opinou sobre o que ele vê como ataques à “liberdade de expressão”.

A saga continuou no início deste ano, quando a Tesla divulgou que recebeu uma intimação da SEC depois que Musk perguntou a seus seguidores no Twitter no ano passado se ele deveria vender 10% de sua participação na empresa.

Em março, respondendo a Musk contestando a intimação em parte sobre os direitos da primeira emenda, um regulador da SEC pediu a um juiz federal que permitisse que seus tweets continuassem a ser examinados .

Alguns dias depois, em 26 de março, Musk twittou que está pensando seriamente em criar sua própria plataforma de mídia social, alegando que o Twitter não defende os princípios da liberdade de expressão.

Aproximadamente uma semana depois, Musk comprou uma participação de mais de 9% no Twitter e se tornou o maior acionista da gigante da tecnologia.

Logo depois, na segunda-feira, o Twitter disse que concordou em se vender inteiramente a Musk.

“O conselho do Twitter conduziu um processo cuidadoso e abrangente para avaliar a proposta de Elon com foco deliberado em valor, certeza e financiamento”, disse o presidente do conselho independente do Twitter, Bret Taylor, em comunicado anunciando o acordo, que ele descreveu como “o melhor caminho a seguir” para os acionistas do Twitter.”

Musk, enquanto isso, dobrou seu posicionamento como defensor da “liberdade de expressão”.

“A liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento, e o Twitter é a praça da cidade digital onde são debatidos assuntos vitais para o futuro da humanidade”, disse Musk em comunicado na segunda-feira.

“O Twitter tem um tremendo potencial – estou ansioso para trabalhar com a empresa e a comunidade de usuários para desbloqueá-lo.”

Um dos primeiros tweets de Musk especificamente sobre o Twitter, postado em 2017, foi simplesmente: “Eu amo o Twitter ”.

O tweet recebeu uma resposta “Mesmo” do então CEO Jack Dorsey, bem como uma resposta de um usuário sugerindo que ele deveria comprá-lo. “Quanto isso custa?” Musk twittou na época, anos antes de apresentar formalmente sua oferta pela empresa.

Avançando para 2020, ele começou a falar sobre trolls e bots na plataforma “afetando negativamente o discurso público” e reclamou que o “nível de golpe de criptografia no Twitter está atingindo novos níveis”.

Este ano, os tweets de Musk sobre o Twitter mudaram acentuadamente para começar a transmitir queixas mais específicas sobre como a plataforma opera.

Ele atacou a empresa por “gastar recursos de engenharia” na criação de fotos de perfil NFT em vez de abordar contas de spam. Ele mirou o algoritmo do Twitter várias vezes, pedindo que ele fosse de código aberto, o que significa que está disponível publicamente para qualquer pessoa ver, retrabalhar e usar para outros fins.

Mais recentemente, Musk sugeriu que as apostas são altas para a plataforma reforçar a liberdade de expressão.

“Dado que o Twitter serve de fato como a praça pública da cidade, não aderir aos princípios da liberdade de expressão mina fundamentalmente a democracia”, ele twittou no mês passado.

E em seu tweet final antes da notícia de que o Twitter havia aceitado sua oferta de aquisição, Musk continuou seu refrão, twittando na manhã de segunda-feira: “Espero que até meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que significa liberdade de expressão”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN