Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Valor de importações de fertilizantes registra alta de 178% em 2022, aponta CNA

    Entretanto, o volume dos produtos registrou crescimento de apenas 16%. Confederação da Agricultura e Pecuária destaca aumento no preço dos insumos e futuro impacto no valor dos alimentos

    Produtor aplica fertilizante em campo de trigo
    Produtor aplica fertilizante em campo de trigo 27/05/2021REUTERS/Pascal Rossignol

    Elis Barretoda CNN

    Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    Dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) mostram que o valor com importações de fertilizantes cresceu 178% de janeiro a maio de 2022, em relação aos primeiros cinco meses de 2021. Entretanto, ainda segundo a entidade, o volume importado subiu apenas 16% neste mesmo período.

    Os dados, segundo a CNA, apontam um aumento expressivo no preço desses produtos, que são os principais insumos das atividades agrícolas.

    Ainda de acordo com a confederação, a alta nos gastos irá fazer com que os produtores percam margem de faturamento, já que o Brasil importa cerca de 80% de todo o fertilizante consumido, gerando uma ampliação do valor nas safras 2022/2023.

    De acordo com a coordenadora do Núcleo de Inteligência de Mercado da CNA, Natália Fernandes, culturas como a soja e o milho, por exemplo, devem sofrer impactos significativos.

    “A gente tem uma estimativa de um aumento do custo perto de 40% para a soja e de 51% para safra de verão no custo operacional efetivo, que é o custo de desembolso do produtor. Então é bastante expressivo quando você compara a safra de um ano para o outro. Só custos com fertilizantes é ainda mais expressivo, então para soja passa de 80%. E para milho chega perto de 93%”, afirma a coordenadora.

    Natália Fernandes destaca ainda que o uso de fertilizantes representa de 30% a 40% dos gastos operacionais dos agricultores. E completa apontando que o insumo é o item mais importante da atividade.

    O professor e economista da Ibmec, Gilberto Braga, explica que o aumento no preço dos fertilizantes é um reflexo do conflito entre Rússia e Ucrânia, de onde o Brasil importa grande parte desses suprimentos.

    “Esse aumento nos preços tende a impactar cada vez mais o consumidor final, sobretudo quando se tem conhecimento de que não há ainda uma perspectiva de um fim do conflito no leste europeu. É importante dizer que cada tipo de agricultura tem uma necessidade diferenciada de fertilizante, mas não existe nenhum tipo de alimento que não vai ser impactado. Isso acaba que vai para o preço final e acaba sendo pago pelo consumidor brasileiro”, aponta.

    Os alimentos são um dos itens que vêm impactando fortemente a inflação do país. Na divulgação do mês de maio do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a categoria registrou alta de 0,75%. Entretanto, no acumulado de janeiro a maio deste ano, os preços já cresceram 6,86%.

    Mais Recentes da CNN