‘Vamos modernizar, e os incomodados que se retirem’, diz Guedes sobre Mercosul

Segundo o ministro, a expressão é uma resposta à fala dos próprios argentinos que defenderam a conservação das regras atuais do bloco

Ministro da Economia, Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes 25/06/2021REUTERS/Adriano Machado

Anna Russida CNN

Brasília

Ouvir notícia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender a modernização das regras do Mercosul. Há alguns meses o ministro defende a redução Tarifa Externa Comum (TEC), praticada no Mercosul, em 10%. A ideia, no entanto, tem enfrentado obstáculos pela Argentina, que também compõe o bloco.

“Nós não vamos sair do Mercosul, mas não aceitaremos o Mercosul como ferramenta de ideologia. O Mercosul é uma plataforma de integração na economia global. Se ele não entregar esse serviço, nós vamos modernizar e os incomodados que se retirem”, disse em participação de evento promovido pela International Chamber of Commerce (ICC Brazil), nesta segunda-feira (27).

Segundo o ministro, a expressão é uma resposta à fala dos próprios argentinos que defenderam a conservação das regras atuais do bloco. “A Argentina falou isso um dia: o Mercosul é como é e os incomodados que se retirem. Vamos devolver isso para eles”.

Caso a reforma tributária avance no Legislativo, Guedes ainda defende uma redução ainda maior da TEC. “No ano que vem, se conseguíssemos fazer reforma e simplificação tributária, baixaria mais 10%. Uma abertura gradual, segura, mas irreversível. Vamos abrir. A hora de abrir, inclusive, é agora”, argumentou pontuando a alta da inflação.

Crescimento verde

O ministro também informou que, em parceria com a ICC Brazil, o governo lançará nos próximos 30 a 40 dias o plano de crescimento verde, que será um modelo de comércio exterior com as melhores práticas internacionais.

“É uma mudança de percepção e políticas nossas lá fora, mostrando que o Brasil vai gastar US$ 2,5 bilhões em uma infraestrutura de economia verde. O Brasil é a maior potência verde do mundo. Queremos que o Brasil seja uma plataforma verde e digital”, explicou.

Mais Recentes da CNN