Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ações da Petrobras fecha com queda de 6,5% pressionadas pela revisão do estatuto

    Petróleo Brent, referência para as companhias brasileiras, opera em queda no exterior

    Tanques da Petrobras na refinaria de Paulínia
    Tanques da Petrobras na refinaria de Paulínia . REUTERS/Paulo Whitaker/File Photo

    Da CNN*

    São Paulo

    As ações preferenciais da Petrobras (PETR4) fecharam com queda de 6,5% nesta segunda-feira (23), operando como a maior baixa do Ibovespa.

    No mesmo dia, as ações ordinárias (PETR3) registou perda de 5,86%.

    Os investidores digerem o anúncio publicado hoje pelo conselho de administração da companhia, que aprovou a revisão da “política de indicação de membros da alta administração e do conselho fiscal”.

    O conselho de administração da estatal aprovou a apresentação de proposta de revisão em seu estatuto que visa eliminar determinadas restrições para a indicação de membros para a alta cúpula, no que poderá abrir caminho para a entrada de políticos na empresa, segundo duas fontes a par das discussões.

    A proposta apresentada também inclui a criação de uma reserva de remuneração de capital, que teria como objetivo buscar um meio de reservar recursos que excedam os 45% do fluxo de caixa livre previstos na política para distribuição mínima de dividendos.

    Essa parte excedente seria direcionada para investimentos e não mais para remunerar acionistas, segundo essas fontes.

    A mudança continua condicionada à aprovação da revisão estatutária correspondente a este tema por assembleia geral extraordinária, a ser convocada oportunamente, mas a petroleira não deu mais detalhes sobre a medida.

    A Petrobras ainda afirmou que entre os objetivos da revisão está “excluir vedações para a indicação de administradores previstas na Lei nº 13.303/2016 consideradas inconstitucionais por meio de Tutela Provisória Incidental na Ação Direta de Inconstitucionalidade 7.331-DF, em curso perante o Supremo Tribunal Federal“.

    Além disso, os preços do petróleo caíram mais de 2% nesta segunda, à medida que os esforços diplomáticos no Oriente Médio se intensificaram na tentativa de conter o conflito entre Israel e o Hamas, aliviando as preocupações dos investidores sobre possíveis interrupções no fornecimento.

    Os futuros do petróleo Brent caíram US$ 2,33, ou 2,5%, a US$ 89,83 o barril. Os futuros do petróleo West Texas Intermediate (WTI) dos EUA caíram US$ 2,59, ou 2,9%, para US$ 85,49 o barril.

    Veja também: Petrobras quer criar fundo para pagar dividendos

    *Publicado por Iasmin Paiva e Diego Mendes, com informações de agência Reuters