Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Batalha pela tecnologia da década”: crise na criadora do ChatGPT vai além de demissão (e retorno) do CEO

    ChatGPT e a organização sem fins lucrativos que a construiu rapidamente se tornaram sinônimos do campo emergente da inteligência artificial generativa

    CEO da OpenAI foi demitido na sexta-feira (17)
    CEO da OpenAI foi demitido na sexta-feira (17) REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração

    Allison Morrowda CNN

    Nova York

    A batalha pela tecnologia mais importante em décadas está ficando feia e rápida. A reviravolta da OpenAI – com o co-fundador da tecnologia Sam Altman sendo colocado no centro da crise – pode ter amplas implicações para quem controla o futuro da inteligência artificial.

    Há um ano, a OpenAI era uma startup obscura que lançou uma tecnologia tão poderosa que quase imediatamente provocou comparações com Prometheus trazendo o fogo do reino dos deuses.

    O ChatGPT e a organização sem fins lucrativos que a construiu rapidamente se tornaram sinônimos do campo emergente da inteligência artificial generativa.

    Agora, um ano depois, uma mudança desastrosa nos bastidores ameaçou alterar o equilíbrio de poder na indústria.

    Com a OpenAI enfrentando um potencial motim, é a Microsoft – big tech de 50 anos mais conhecido por softwares de trabalho de escritório pesados ​​como Excel e PowerPoint – que se encontra subitamente na vanguarda da inovação tecnológica mais significativa em décadas.

    A Microsoft anunciou que Altman e vários outros membros importantes da OpenAI se juntariam à empresa para ajudar na inovação em inteligência artificial. Dias depois da surpreendente demissão do cargo de presidente-executivo, no entanto, Sam Altman concordou em voltar a liderar a OpenAI, segundo disse a empresa em uma postagem no X.

    O plano de integrar o braintrust ChatGPT sob sua própria marca poderia turbinar a expansão de ferramentas alimentadas por IA, potencialmente concretizando os piores temores dos fundadores da OpenAI, que temiam que a tecnologia perigosa nas mãos erradas pudesse ser implementada também rapidamente no esforço de obter lucro.

    Entenda o caso

    O conselho da OpenAI demitiu abruptamente seu CEO e cofundador, Sam Altman, na sexta-feira (17), dando início a um fim de semana caótico em que o conselho tentou, sem sucesso, desfazer a decisão.

    Em 48 horas, a Microsoft anunciou que havia contratado Altman para liderar um novo grupo interno de IA. Na manhã de segunda-feira (20), porém, a OpenAI informou que Sam Altman concordou em voltar a liderar a companhia.

    A revolta dentro da OpenAI havia inflado na segunda-feira (17), quando mais de 500 de seus funcionários ameaçaram pedir demissão a menos que a empresa recuperasse Altman e o atual conselho renunciasse.

    A notícia de que Altman e outro cofundador da OpenAI, Greg Brockman, desertariam levou as ações da Microsoft a um nível recorde na segunda-feira.

    Na segunda-feira, o CEO da Microsoft, Satya Nadella, admitiu em entrevistas com Kara Swisher, colaboradora da CNBC e da CNN, em seu podcast, “On with Kara Swisher”, que a batalha por Altman ainda não acabou.

    Nadella reconheceu que Altman poderia eventualmente retornar à liderança da OpenAI se as centenas de funcionários que ameaçaram se demitir tiverem sucesso em sua tentativa de atraí-lo de volta.

    E foi o que aconteceu. A Microsoft ficou na vantagem por pouco tempo: é a parte interessada mais importante da OpenAI, com um investimento prometido de US$ 13 bilhões (R$ 63,11 bilhões).

    “Todos aqueles investidores de capital de risco e fundos soberanos teriam feito fila para dar a Altman todo o dinheiro que ele precisasse para fazer o que quisesse”, disse Jason Schloetzer, professor associado da McDonough School of Business de Georgetown.

    Fator Altman

    Altman é uma das figuras mais cobiçadas pelas empresas de IA. No ano passado, ele se tornou a face pública da indústria e foi fundamental para forjar a parceria da OpenAI com a Microsoft, que começou em 2019.

    Em 2022, ele apresentou o ChatGPT ao mundo, uma tecnologia que se tornou sinônimo de IA e tornou sua promessa real e tangível para milhões de pessoas que não tinham ideia de que o software era capaz de se aproximar de algo humano.

    Mas Altman não é o prêmio final: a liderança no espaço da inteligência artificial é.

    A tecnologia está sendo utilizada ou tem amplas implicações para abalar todas as indústrias: desde os automóveis sem condutor, às finanças, à sala de aula, ao jornalismo – até à arte e à música.

    E a Microsoft tem uma grande vantagem sobre a concorrência. Nada está garantido, mas a sua relação com Altman e a OpenAI colocou a big tech na pole position.

    A relação entre OpenAI e Microsoft tem sido benéfica para ambas as empresas.

    A OpenAI depende fortemente da infraestrutura de computação em nuvem da Microsoft, o Azure. E a associação da Microsoft com a startup mais quente do Vale do Silício ajudou a restaurar sua imagem entre os desenvolvedores.

    Se Altman enfim se juntar à Microsoft, “será capaz de aproveitar muito do progresso feito na OpenAI de forma mais direta e não à distância”, disse Gil Luria, diretor administrativo e analista de software sênior da DA Davidson.

    “[A Microsoft] agora controla a equipe que fez esse progresso notável, o que a coloca em posição de controlar o caminho de desenvolvimento desta tecnologia nos próximos anos.”

    O futuro da OpenAI tem muitas startups de tecnologia no espaço de IA lutando para descobrir o que acontece a seguir: a tecnologia da OpenAI se tornou o padrão para desenvolvedores, disse Luria, e a Microsoft tentará manter esse padrão em vez de ceder terreno para rivais como o Google ou Anthropic.

    “Quando você usa os padrões OpenAI, você está usando o Azure”, disse ele. “O maior benefício para a Microsoft deste relacionamento OpenAI foi revigorar o crescimento no Azure.

    Ao contratar Altman para liderar uma equipa interna de IA, a Microsoft está contando com o magnetismo do fundador para atrair talento e dinheiro dos investidores e suavizar os obstáculos regulamentares que poderiam impedir o lançamento de ferramentas alimentadas por IA.

    Tensão filosófica

    O conselho da OpenAI fez apenas declarações públicas vagas sobre o motivo da demissão de Altman, dizendo que ele “não foi consistentemente sincero em suas comunicações com o conselho”.

    Mas várias pessoas disseram à colaboradora da CNN, Kara Swisher, que um fator-chave na decisão foi um desacordo sobre a rapidez com que levaria a IA ao mercado. Segundo fontes, Altman queria agir rapidamente, enquanto o conselho da OpenAI queria agir com mais cautela.

    “O desastre da OpenAI é o resultado de uma tensão entre pessoas que acreditam que as descobertas de IA são suficientemente seguras e devem ser realizadas rapidamente agora, contra pessoas que acreditam que as descobertas de IA devem ser temperadas com algum discernimento sobre qual poderia ser o custo potencial de sua liberação”, disse Schloetzer.

    Altman tem sido uma das vozes mais fortes a defender a regulamentação. Ao mesmo tempo, ele tem sido um dos que mais se moveu, transformando o braço lucrativo da OpenAI em uma empresa de US$ 90 bilhões praticamente da noite para o dia.

    Ambas as conquistas são possíveis, e a estrutura da OpenAI – uma organização sem fins lucrativos que supervisiona uma empresa com fins lucrativos – foi projetada para impedir que a IA destruísse a humanidade.

    No entanto, a novela da OpenAI ameaça perturbar esse equilíbrio. Em breve, poderemos precisar contar com a Microsoft, uma das maiores e mais poderosas empresas do mundo, para garantir que a IA seja utilizada para o bem e não para o mal.

    *Com informações de Clare Duffy, da CNN Internacional

    Veja também: Inteligência artificial pode acabar com 27% dos empregos em países da OCDE

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original